sábado, 28 de março de 2020

NOS BANDERA



Kriolu y kriolidadi é nos Bandera
É Áfrika ku Európa karapatidu, strammadu na kunpanheru

Manuel d’Novas dja flaba, y é simemé:

“… Nos é rasa prétu ma brónke burnide na vente
Burnide nun tenporal di skravatura…”.

Nu nase stramadu, nu kria burnidu, “gerrotxóde”, nu bira kriolu:
Na sangi, na língua, na stória y kultura, na vivénsia…
Fórti grandi dja nos é!
Sangi di dos kontinenti, stória y kultura tenpradu na diversidadi.

Kumunhon di diversidi, kritikamenti konstruídu y kultivadu
É kel-la ki ta faze-nu grandi, é kel-la nos rikéza, nos diferénsa
Ki diáspora y artistas kriolu viaja ku es, na “mala di emigranti”,
Mas, tanbe, na melodia di mórna y kórdas di violon.

Un letradu distraídu fla ma kriolidadi ka ta leba-nu pa ninhun lugar
Óra, nos ki ka kre koloniza nen dumina ningen
Ka nu fadiga ku es diklarason fatéla
Basta ki ku nos kriolidadi nu alkansa y nu nada na tudu nos Baia

Basta ki mundu global kontinua ta studa y ta ensina nos realidadi
Ki nos diápora y otus Cesária ba ta transporta-l na melodia di mórna
Ki Cidade Velha ka perde statutu di Patrimóniu di Umanidadi
Ki kualidadi di nos literatura pasa ta interesa tradutoris y editoris di globalizason

Si tudu kel-la kontise é pamodi Kriolidadi é NOS BANDERA
El é nos esénsia, nos identidadi spesífiku
Anton, nu defende-l, nu valoriza-l, nu ama-l.

Na verdadi, si nos é nos, é un nosentésa nega nos própi kabésa
Tudu ki é konkista puzitivu di otus povu ta interesa-nu, kritikamenti
Tudu ki é konkista di nos povu debe interesa-nu vitalmenti
Y é pur isu ki kriolu y kriolidadi, NOS BANDERA, nu kre odja-s riba la.


                                                  Manuel Veiga, 28/03/2020






sexta-feira, 27 de março de 2020

FÓRTI KUSA GALANTI!

Trokadu COVID 19,
                                    Ku maskra tufudjadu na róstu,
                                    Nha Marsu 27, di  es 2020 misgu y miziadu,
                                    Otróra ku fragánsia y sabor di mel
                                    El  dexa di ser daguma y na fimininu
                                    Pamodi flipadu y aroganti
                                    Mondon ku Ramantxadu di mundu
Unilateralmenti es ditermina:
Umanismu y inkluzon sosial
Kredu ô ka kredu, é pa kabadu ku el.
Mas, di fundu di abismu
Ku konsiénsa karapatidu na petu

Obidu un vós ta ratunba, konfianti:


MARSU DAGUMA
(Na Fimininu)

                            
Na Marsu 8, é Dia Internasional di Mudjer;
Na Marsu 21, Mundu ta selebra Arvi y poezia;
Na Marsu 22, é ves di Águ;
Na Marsu 27, nha mãi pari-m;
Na es mésmu data, é dia di nos Kriólas y di Tiatu, tanbe.

Fórti mes daguma, fekundu, abensuadu , própi!
Mudjer ta da lus; Arvi ta da frutu; Poétas y dramaturgus ta kria arti, Agu ta da vida.
Ku amor, ku fekundidadi  di vida,  ku forsa di nobu
Nha mãi finka duedju, po-m na txon
 Nha pai, rai di kontenti, djata, foronperu:
Es prénda-li, ten kor di fodjada:
Na sol, el ka ta murutxa,  na agu el ta da rabénta.

É si ki N nase, é si ki N kre ser:
Ka maltadjadu, nin ka laraxadu;
Diterminadu, trabadjador y ruspetador;
Amigu di nha povu, di si língua y di si kultura.

                Nha mãi ku nha pai ki fase-m si;
                Nha povu ku si stória ki mostra-m kaminhu
                Nha kara-metadi ki  konpo-m manera di ser;
                Mudjeris di tudu rubera ki nxina-m un verdadi:
                Óki nu kansa, nu ta alkansa.

 Anton, na es dia 27 di Marsu daguma,
 Gratidon pa nha mãi, ku nha pai;
 Rakonhisimentu pa tudu Krióla di nha Kutélu,
Ruspetu y dimirason pa tudu mudjer ta rola na mapa
É altu sima séu, fundu sima mar, razistenti sima bazaltu,
Dóxi sima fruta di merada, linpu sima agu di fonti.
Pa ninhun Mondon ku Kanpion ka pensa straga fésta.

             Dja N fla, sta fladu, ku sinseridadi y diterminason
             Pa sabedu na tudu banda, di mundu interu:
             Riba la 27 di Marsu, di tudu ténpu, ku nos mãi, nos raínha,
              Ku nos parserus fépu di jornada,
              Na ruspetu y inkluzon di tudu ser umanu, nos armun, nos similhanti,
              Li-mê, na txon di masapé, más pa la, na txon di Téra lonji!

                                                                                       Manuel Veiga
                                                                                         Marsu 2020




NA KONPASU NHA VIOLON



Na un dia sima oji, di 1948,
Na Rubera di Suduguma
Agu kóre na labada, régu intxi ti futi.
Simenti jermina, nase bisós
Sol ponta na orizonti y spadja si raius
Un dizeju grandi kaba pa kunpri:
Nasimentu di un infanti, ku un grandi mison si dianti.

Di Suduguma el subi ti Txada Gomi
El alkansa Somada, el txiga na Praia, Kapital
Na País y na  Mundu, el viaja ta buska konhisimentu:
Áfrika, Orópa, Mérka, Antilhas, Maurísias…
Sénpri ta djobe pa fonti, la undi agu é más linpu.

Ta bebe manenti-manenti
El ka basta sedi, si mison éra rai di grandi.
El subi, el dixi, el trabesa, kaminhu ka kaba.

Oji, na kurva di séti azágua, dés bes kontadu
El sabe ma mison ka kaba inda, mas balansu é puzitivu:
Más agu na si póti y más konhisimentu na si kabésa
Más simentera realizadu y más kodjéta djuntadu
Más amor partilhadu y más sabedoria alkansadu

Apezar di tudu, insatisfetu inda.
Na verdade, fonti é grandi, ka pikinóti
Fómi é txeu, kapoku
É pa ba ta bebe, é pa ba ta símia, é pa ba ta rega.
Kodjéta, óra más fraku, óra fadjadu, dimê-divéra
Un pon di susténtu, tioxi, ka falta

Anton, móda Rejina di Odju d’Agu
N ten pa gardise, tudu ténpu, tudu óra:
Nha mãi ku nha pai, ku nha povu tanbe;
Suduguma ku Txada Gomi, undi tudu komesa
Somada ku Praia, Kabuverdi, Áfrika y Mundu undi tudu kontínua.

Un kusa N ten pa fla: Nha Mison N sa ta kunpri, manenti-manenti
Ku forsa di nha kanéla, ku suór di nha tésta,
Na rítimu di mórna ku funaná, na konpasu di nha violon,
Ku agu frésku di fonti pa basta sedi, 
Kel di nha rubera, kel di Kabuverdi global.

                                                                         27 di Marsu di 2020





terça-feira, 24 de março de 2020

A HUMANIDADE COMO FAMÍLIA, A VIDA COMO UMA BÊNÇÃO




Na data em que Amílcar Cabral completou 95 anos de idade lembrei-me do texto que escrevi em “O LEGADO DE CABRAL NA MEMÓRIA DO TEMPO” sobre o seu HUMANISMO VISIONÁRIO, e isto no âmbito da candidatura de alguns dos seus escritos ao “Programa Memória do Mundo da UNESCO”.

E porque o texto se enquadra muito bem no momento em que o COVID 19 devasta a Humanidade, julguei pertinente lembrar o que então escrevi:
Uma das páginas mais bonitas e mais significativas do humanismo de Cabral, aquela que antevê a HUMANIDADE como uma família e a VIDA como um dom e uma bênção para todos, para o Homem preto ou branco, vermelho ou amarelo, para os sujeitos de todas as raças, de todo os horizontes, de todos os credos, de todos os Partidos, de todas as condições sociais. Como vate visionário, eis o sonho que acalentou:

"Hoje, na fogueira das bombas, assa-se carne humana. A responsabilidade dessa tremenda realidade que é a guerra é reciprocamente imputada pelos adversários em luta. Arrasam-se cidades inteiras e de edifícios que foram magníficos ficam escombros…
Mas do caos surgirá um mundo novo e melhor. Está tão certo isto como é certo que o mundo precisa de uma remodelação: uma nova ordem que não é a nazi, nem a que alguns sonham que há-de ser defendida por uma Polícia Internacional…
Será outra que significará o Homem, preto ou branco, vermelho ou amarelo, que proporcionará ao Homem uma vida vivida e não sofrida. Em que Ele, esteja no mais longínquo aposento do Mundo, terá a certeza no dia de amanhã e terá sempre presente que pertence a uma mesma família pela qual tem de velar – a HUMANIDADE.
E, ao pensar nessa futura realidade que muito chamarão quimera, lembro-me das palavras do Abade de la Roudaire: ‘Não será já, talvez, mas o dia da Justiça e da Paz há-de raiar com certeza. Há na Terra um só povo a que pertencem todas as Nações’.
Não será já, mas é amanhã!

E é para amanhã que eu quero ter filho. Estou na casa dos vinte, e nada me garante que poderei subir a ladeira ascendente da vida, dobrar a colina, descer a prumo e pender da outra banda – que é a velhice – e, depois de ter vivido, entrar, atravessando o fio do nada que separa o ser do não ser, na planície desconhecida que é a Morte.
…não sei se não serei um dos que ficarão pelo caminho…

Mas com o meu filho não será o mesmo. Ele há-de viver a vida por que anseio, hão-de ser para ele realidades as minhas esperanças de hoje…
Mas o meu filho viverá. Ele há-de ser aquilo que desejar ser, desde que, sendo-o, concorra para a felicidade de todos. O filho que tiver viverá num mundo diferente…
Nesse futuro e próximo mundo de que o meu filho fará parte, ele ou ela, talvez venha a escrever: A Vida. Por toda a parte a Vida. Por toda a parte a felicidade e a Vida”(Cf. Amílcar Cabral 2015. Cabo Verde - Reflexões e Mensagens, FAC: 29-30).

Que belas páginas! Cabral escreveu-as em Outubro de 1944, quando tinha apenas 20 anos de idade. Trata-se de um dos legados mais valiosos que o jovem Cabral nos deixou. Sabia que o seu sonho era, para muitos, uma quimera, na altura em que a teve. Porém, como poeta visionário queria que, pelo menos, os seus filhos tivessem a sorte de, um dia, ver o seu sonho concretizado. Sabemos que o mesmo, inteiramente, ainda não aconteceu. Nem em Cabo Verde, nem no mundo. Basta ver o que se passa hojeno mundo com o COVID 19.
A HUMANIDADE, como família, do jeito que Cabral a preconizara, é ainda um projeto. A cada um de nós a responsabilidade de concretizar esse projeto. Qualquer que seja a geografia ou o contexto em que vivemos hoje, uma coisa é certa: o Mundo precisa, urgentemente, de fazer da HUMANIDADE uma família. De outro modo, estamos condenados a enfrentar um dilúvio ou uma catástrofe mundial em que os poucos sobreviventes poderão, eles mesmos, acabar por não sobreviver.

Manuel Veiga




domingo, 22 de março de 2020

NO RESCALDO DO DIA DA POESIA E NO CALOR INFERNAL DE COVID 19

ESTE PENSAMENTO REFRESCANTE
DE MANUEL D’NOVAS,TROVADOR-POETA:

“Porquê tanta maldade neste mundo/ Se estamos aqui só por um segundo/ Porquê tanta falta de amizade/ Para gerar infelicidade/ Porquê tanta indústrria de guerra/ Se a paz está ao nosso alcance/ A maldade já tomou conta do espírito humano"

A Morna é, sem dúvida, pela gramática do crioulo e pela melodia dos seus acordes, uma das metáforas mais complexas da identidade caboverdiana, na medida em que é a síntese da vivência de um povo, dos conhecimentos que tem e que transmite, do diálogo civilizacional que promove e assimila, das tradições que possui e que preserva, da solidariedade que vive e apregoa, da filosofia de vida que exerce e que cultiva, da ética que pratica e defende, do humanismo que promove e advoga.

Tudo o que acima ficou dito pode ser ilustrado na morna Apocalipse, escrita em 1985:

“Pakê tónte maldade nese mundu/ Se no tâ li so pa un segunde// Pakê tónte inamizade/ Pa jerá infelisidade/ Pakê tónte indústria de gérra/ Se no podê kriá pás na térra (medjor ê pensá)// Ome tâ xeiu di malvadéza/ Sen respeitu pa naturéza (ó Deus valê-nu)// Tónte inventu na planéta/ Tónte koitóde pa manéta (sen ses óra txegá)//Monopóliu de un kanbada/ Ê destinu de nos vida// Kada óra un notísia/ Kada minutu un malísia// Dezarmamentu ê konvérsa/ Pa bankete y vise-vérsa// Ê fartura nun pónta/ Ê mizéria n’ote pónta// Mundu tâ piór k’un jogu de “póka”/ Ka bo mandá-me kalá bóka (Un ta dezê verdade)// No ti ta vivê debóxe d’ameasa/ Dun flajelu pa tudu rasa// Mundu podia ser ote koza/ Vida podia ser kor de róza/ Si nos tudu podia juntá mon/ Ku Deus y amor na kurason/ Ma Bíblia ta flá/ Na Apokalipse!”

Não há dúvida que a Morna, como expressão da identidade mestiça local, humanista, integral e universal, ficou bem patente em Apokalípse. A primeira nota que sobressai é a do humanismo e da razoabilidade (…).
O trovador-poeta constata as tentações e os pecados do devir caboverdiano, do devir universal e tem fé que algo superior virá ao nosso socorro. O que ele, pedagogicamente, deseja é uma sociedade mais humana, mais fraternal, mais inclusiva, mais solidária. Não se cala porque sabe que está a dizer a verdade, e é sua obrigação contribuir para que o mundo seja melhor, um mundo onde todos possam ter “pão, voz e vez”, no respeito, na dignidade e na inclusão. E se isto acontecer, já o anunciado apocalipse bíblico deixará de fazer sentido e o calor do COVID 19 acabará por queimar os pecados da humanidade e permitir que respiremos um ar mais puro e mais desintoxicado.

Manuel Veiga,
(Extrato de um Posfácio meu ao próximo livro de César Monteiro)
22 de Março de 2020

sábado, 21 de março de 2020

"Já Não Somos Os Flagelados do Vento Leste":

A  HUMANIDADE  COMO  FAMÍLIA
Ali-Ben-Ténpu, un rankarnason di Nhu Naxu, dja flaba ma kusas tinha ki muda.

Naverdadi, murgudjadu na si pensamentus, el odja sima ki séu dixi, mar labanta y téra submerje. Tudu ki éra negativu bai pa fundu di mar. Tudu ki éra puzitivu fika ta boia entri séu y mar. Na es senáriu, kusas bira tudu diferenti: kubisa ku egoísmu kaba. Puder ku rikézas fika tudu fraternalmenti rapartidu. Géras ku gólpis di Stadu fika so na stória. Skravatura, splorason, emigrason forsadu, stremismus na pulítika y na sosiadadi sivil, terorismu, radikalismu relijiozu, banditismu, “bullying” na instituisons di ensinu, violénsia doméstiku y sivil, organizasons di stupifasienti, tudu es, forsa di óndas y gravidadi di téra pintxa-s pa fundu di osianus undi, fogadu, es bai purifika di ses pekadu.

Un mundu nobu ranase: amor, djustisa, fraternidadi, solidariedadi pasa ta reina na tudu lar, na tudu instituison, na tudu asosiason pulítiku y kultural, na tudu organizason sosial y ikunómiku.

Filisidadi pasa ta ser un ben di purmeru nisisidadi y un direitu fundamental konsagradu na Konstituison di tudu nason di mundu (MV (2019). Profecias do Ali-Ben-Ténpu,Acácia Editora, p.143).
Na Baía Azul, un puéta vizionáriu, sima Ali-Ben-Ténpu, vatisina si, tanbe:

“… Mesmo que o céu não chova/ E o Sol e a Lua/ sejam/ cordas partidas no violão da ilha/ Mesmo que a chuva seja esta noiva de usura/ Este umbigo/ Esta corola de ausência/ Entre a rocha e o rosto/ Mesmo/ Que o vento vergue/ No eixo da terra E nos mastros da alma/ Os ossos & séculos de sangue & secura/ Mesmo sendo! Já não somos / Os flage¬lados do vento leste” (Corsino Fortes).

Vatisíniu di es dos vizionáriu dja nu komesa ta odja. Koronavirus ben fla-nu ma kusas ten ki muda. Anton, konviti é pa nu abri odju, pa nu prende lison di fase di Humanidadi un família. So di es manera mundu pode proclama: “Já não somos/Os flagelados do vento leste”.

sexta-feira, 20 de março de 2020

VIVA O 20 de MARÇO, DIA DOS PAIS



Não estava a lembrar-me que hoje é o dia do pai. Os meus filhos felicitaram-me e felicitaram-se como pais que já são.
Eis a resposta que lhes dei e que, eventualmente, poderá interessar a quem já é pai:
"Obrigado, amados filhos, pela lembrança e pelos votos.
Como pai, espero ter podido transmitir-vos o sentido do amor paterno sem limites; a cultura de valores e de princípios; a tolerância e o respeito pelos outros; a mentalidade e 'cultura de campeão'.
E campeão, para mim, significa a mentalidade de ganhador, sem prejudicar o outro. Significa, em tudo, procurar ter o melhor resultado possível. Significa fazer dos problemas desafios.
Se conseguirem, também, passar para os vossos filhos o sentido do Amor Paternal, a cultura de princípios e a mentalidade de campeão, no sentido atrás referido, terá valido a pena o papel de pai.
Nesta base, terá sentido, para todos nós, a celebração do dia do pai.
Viva os pais do mundo inteiro!"



                                                                                                                          Manuel Veiga