sexta-feira, 22 de setembro de 2017

PÁS Y SUGURANSA


Notísias ba ta txiga foradu, un riba di otu.
Na televizons y na jornais; na rádius y na redis sosial; na reunions y na enkontrus informal, asuntu éra kel-mê: géras, invazons, atentadus, asaltus, robus, asasinatus, tiroteius, pankadaria, tremor di téra, furakons, erupsons vukániku, inundasons, inséndius, grévis, manifestasons…
Na Nasons Unidu, dibati más frekuenti éra sobri rastabilisimentu di pás y di suguransa, na mundu interu.
Enkuntu na paízis subdizenvolvidu prubléma fundamental é luta kóntra fómi, kóntra mizéria, kóntra insalubridadi, kóntra epidemia, kóntra analfabetismu, kóntra korupson y abuzu di puder…, na paízis dizenvolvidu ajénda éra otu: akizison y komersializason di material béliku; invistimentu na indústria di géra; spionájen di segredus militris y ikunómikus di paízis adiversáriu ô konkorentis; splorason di matérias prima y di rakursus umanu di paízis subdizenvolvidus ô ki sta na via di dizenvolvimentu…
Konsekuénsia di tudu kel-la: pániku jeneraliza; teror multiplika; medu spadja; suguransa frajiliza; pás y soségu bira kada bês más skasu, kada bês más nikilétu.

Kusas meste muda. Ali Ben ténpu, preokupadu ku situason di inseguransa jeneralizadu, el komesa ta viaja na ténpu y na azas di si pensamentu, y mudansa komesa ta ten.

Na mar di kanal: tudu “thugs” y kriminozus entra na séntrus di rakuperason undi es prende ruspeta propriedadi privadu y kultiva virtudis di umanismu. Kadeias transforma na ofisinas di formason profisional, di kriatividadi y di produtividadi. Óndas di diportason di Mérka kaba pamodi krimi y nunbru di indukumentadus raduzi, kuazi na nada. Enprendedorismu transforma na un bandera y enpregu omenta sponensialmenti. Idukason pa sidadania y pa dizenvolvimentu transforma na un dizígniu nasional pa famílias, puderis públiku, instituisons di ensinu, asosiasons, igrejas, partidus pulítiku y grupus profisional. Kultura di étika, di umanismu, di deontolojia profisional y vivensial transforma na un prugrama di vida. Pás y sugurança komesa ta reina na família, na skóla, na trabadju, na lazer, na konvívius, na paseius, na féstas, na kanpanhas y pleitus eleitoral, na vida y na labuta di tudu dia.
Na aldeia global: invistimentu na indústria di géra transforma na invistimentu pa dizenvolvimentu; spionájen konverte na partilha di konhisimentu y di spiriénsia; splorason individu di matéria-prima, na téra di otu algen, bira program di koperason y solidariedadi; korupson dizaparse y kultura di valoris y di étika fortifika; distribuison di rikéza pasa ta dipende di méritu, di trabadju y di invistimentu na konhisimentu; kultura di maskadjon pasa pa kultura di meresimentu; distribuison di rikéza bira más ekuitativu, más justu, más umanu, más solidáriu; violénsia kaba, pás y soségu fortifika y anplifika, na tudu lar, na tudu enprendimentu, na tudu lokal di trabadju, na tudu fórma di vive y di izisti; dizenvolvimentu umaniza, konportamentu moraliza, pás, soségu y trankuilidadi universaliza, amor y felisidadi planetariza…
Ta pensa manenti-manenti, Ali Ben Ténpu kaba pa fase un dizabafu, kel mesmu ki autor di romansi Odju d’Agu faseba dianti di si povu:
“Y si N podeba…/ Rabida téra pa diparbésa/ Transforma kurason di ómi/ Trabadja onestamenti/ Ama nha armun/ Konkista liberdadi/ Mundu ta sérba otu/ Justisa ta renaba sénpri.//
Y si N podeba…? Viaja pa mundu/ Dinúsia demagogus/ Liberta oprimidus/ Kaba ku tiranus/ Seta nasionalidadis/ Símia fratrnidadi/ Mundu ta dimira-m/ N ta sérba ravolusionáriu.//
Y si N podeba…/ Ser sima mi é/ Ruspeta diferénsa/ Valoriza nha perténsa/ Da y rasebe/ Trabadja pa pugrésu/ Pratika unidadi/ Omenta dignidadi/ Nha povu ta ruspeta-m/ Y ta kunpriba nha dever”.
Es dizabafu é di ken ki krê odja kusas ta muda. Kenha ki konprende si alkansi, ka ta spanta, tanbe, ku vizons profétiku di Ali BenTénpu.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A SIMPLICIDADE


O poeta Jorge Barosa escreveu um dia:


“Eu queria ser simples naturalmente/ sem o propósito de ser simples.// Saberia assim sofrer com mais calma/ e rir com mais graça./ Saberia amar sem precipitações.//Meus sonhos não meteriam esses rumos impossíveis/ de terras mais além.// Bastar-me-ia a curta travessia no mar de cana/ num dos nossos minúsculos veleiros/ para ir conhecer a ilha defronte”.
Há falta de simplicidade quando: forçosamente, queremos ser aquilo que não somos ou que não podemos ser; ingloriamente, odiamos, invejamos ou cobiçamos o que é dos outros; tristemente, sentimo-nos infelizes, incomodados ou enraivecidos por causa do sucesso, do bem-estar ou da riqueza dos outros; apressadamente, queremos atingir a meta do sucesso, mas sem trilhar, pacientemente e passo a passo, todos os degraus, todas as curvas e contracurvas que a caminhada exige; estupidamente, inquietamo-nos só com o dia de amanhã esquecendo-nos de viver e de valorizar o instante presente; egoisticamente, preocupamo-nos apenas com o nosso umbigo, em detrimento da família, do companheiro do lado, do colega de trabalho, do parceiro empresarial, da equipa a que pertencemos, do coletivo onde estamos inseridos, da instituição onde prestamos serviço; cegamente, queremos, a todo o custo, e mesmo por meios ilegais, amealhar riquezas, prestígio, reconhecimento, homenagens, distinções, louvores.
O Ali Bem Ténpu, homem vivido e experimentado na saga do existir, conhece todos os desvios comportamentais que atrasam, desviam ou comprometem a felicidade dos humanos.
“Kusas ten ki muda”. Alavancado no poder do seu pensamento, o nosso visionário começa a enxergar um mundo onde o egoísmo e a cobiça cedem lugar à fraternidade, ao humanismo e à felicidade. Esta, naturalmente, emerge como uma “poesia feita [e aprendida] de cor, ao som do violão”, com palavras escolhidas que só o povo simples sabe articular; com atitudes solidárias e fraternas que desconhecem o ódio, a inveja e a cobiça; com perfeição, simplicidade e naturalidade que se aproximam do altruísmo, da generosidade e do amor divinos.
Acreditando nós que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, temos que admitir que não há nenhuma heresia no pensamento visionário do Ali Ben Ténpu.
Quem tenha razões para acreditar, que acredite.









domingo, 14 de maio de 2017

NOS MÃI PA RIBA TUDU



Na es mundu, nada ka más grandi ki Statutu y Amor di Mãi. Na un dia ki, na txeu párti di mundu, ta selebradu DIA DI MÃI, N lenbra di un momentu partikular ki atitudi di nha mãi marka-m pa vida interu.

Éra na un altura ki poku algen tinha kuarta klasi (nha pai tinha purmeru grau y nha mãi éra iletrada). Mi N konsigi, dibaxu di txeu tirsidjadura y insentivus di nha pai ku mãi, txiga na izami di kuarta klasi. Éra, pa mi, un grandi pasu ki N sa ta daba y N pensa ma selebrason ta sérba di kel bon ki bale. Entritantu, nha mãi da-m dôs tiston pa N pô na bolsu y kantu N regresa ku diplóma na mon, N atxa un pratada di tenterén ta spera-m. N djobe pa nha mãi, N fla-l: mamá, pa bu fidju fase purmeru y sugundu grau, y kel-li k’é fésta ki bu ta guarda-l!?

Kavakadu, el djobe-m taan, y el rusponde-m: “nha fidju, nha ponba d’oru! Oxi é kel-li ki nha kondison ta pirmiti. Mas, ku simenti ki oxi bu kaba di símia, manhan spiga ta disponta, ngarnel ta labanta, tanboru kapás di transborda”. Dja fladu ma dizeju di mãi é sima senténsa di juís, ten ki produzi efeitu.

Na altura, N ka ntende sábi kusé ki nha mãi kreba flaba-mi. Oxi, si profesia realiza y adimirason ku gratidon pa el bira grandi sima Séu, profundu si Mar, razistenti sima Rótxa.

Obrigadu Mamai, nha Mãi. Na es Dia di oxi, N krê presta-bu un grandi ominájen, un ominájen ki N krê stende pa mãi di nhas fidju y nétus, pa tudu mãi na nha família, pa tudu mãi ki N konxe, pa tudu mãi di mundu.


Si na Séu Diós é más grandi ki tudu, na Téra, statutu di mãi ki sta pa riba di tudu.

domingo, 16 de abril de 2017

A Poética de José Miranda (Um Magistério de Fé e Amor, Uma Pedagogia de Humanismo e Patriotismo)



                                                               Por Manuel Veiga

Aprendi a respeitar e a admirar o José Miranda não pelo conhecimento direto, mas pelas referências altamente elogiosas que dele ouvia por parte dos meus pais e de alguns dos seus alunos, entre os quais, uma irmã minha.
Exerceu o magistério por largos anos e é nessa profissão, bem como na vivência de uma fé profunda e arreigada que ele se sente mensageiro da palavra, particularmente quando faz uso da arte de Minerva para veicular as suas preocupações, inquietações e ensinamentos.
Escolhemos dois aspetos da sua poética para o retratar como mensageiro da palavra, através da sua e amor, e como pedagogo do humanismo e do patriotismo.

·      Comecemos com a sua mensagem de fé e de amor:

José Miranda é um homem de fé. Tudo o que é e faz tem a moldura e os ingredientes da sua profunda fé. É assim que, no poema “Mudjer di Kabuverdi” (p.19), exorta-a dizendo:

Lenbra ma ómis di mundu interu,/ Tudu es é igoísta.//Pur isu, dj’es poi Diós dun banda,/ P’es ta sâsia ses vontadi.

Para o autor, Deus é razão de tudo, é riqueza suprema, é fonte de todas as alegrias, de todas as realizações, tanto as humanas como as divinas. Daí ele se insurgir contra a desinteligência dos homens que vêm colocando Deus de lado para dar vazão ao seu próprio egoísmo, abusando da fraqueza feminina, em vez de a amar como companheira e parceira, tanto nos bons como nos maus momentos.
E se Deus formou a mulher da costela do próprio homem, então

Bo é nha anju da guarda/ Oázis di nha viaji na dizértu,/ Bérsu na nha noti grandi,/ Séu di nha alma n’es mundu.// Ama sin, mas iziji amor./ Fika linda, pura y santa.// Ka bu dexa bu nbala na kantiga/ D’es mundu nganador/ Ki ta pô-bu nkosta nun kantu/ Y sen gostu di bu kontínua kanta”.

A mensagem do poeta é para a mulher amar e ser amada, e não se deixar embalar nas falsas promessas deste mundo enganador. E para que isto aconteça, o poeta deixa um conselho: sem abandonar Deus, e sem perder a fé, sendo pura e santa, “Buska más informasan/…Y pusta na formasan”.
A escrita de José Miranda podia ser considerada, em grande parte, uma poética de fé, no feminino. Tal é a importância da relação com o Transcendente, do amor e do lugar que a mulher mãe, esposa, filha, namorada, madrinha e companheira, ocupam na sua poesia. Daí a pedagogia da sua mensagem no sentido dela abrir os olhos para a santidade, cuidar da beleza física, sim, para poder ficar “linda, pura y santa”, mas também buscar a informação e apostar na formação.
Para aprofundar essa mensagem de fé e amor, no poema “Mulher Ontem e Hoje” (p. 20) exorta:

“Não te esqueças que tu és/ A Imagem da Mãe dos Céus.// Do teu ventre nasce Deus»,/ Nasce «Pedro»,/ Nasce «Adão»...// Seja Virgem ante Eva.// São apenas conselhos meus.// Passear ou dançar nua,/ Não te leva à parte alguma”.

O poeta compara a mulher com a Virgem Maria e lembra-a que o seu ventre é um templo sagrado que, à semelhança do que aconteceu com Deus Menino, pode gerar outros infantes, portadores da bênção divina. Por isso, volta a chamar a atenção das mulheres: “Passear ou dançar nua,/ Não te leva à parte alguma”.
O aviso do poeta vem na linha da exortação de Santo Agostinho quando diz: “ama e faz o que quiseres”. Ora, quem ama respeita o seu corpo e o dos outros, como templo de Deus. De acordo com o Novo Testamento, quem ama não faz ao outro o que não gostaria que a ele fizessem. Quem ama conjuga os verbos “amar e respeitar” em todos os tempos, modos e pessoas. E este exercício é divino, mas também é humano.
Para o autor, o desrespeito do nosso corpo como templo sagrado, tanto por parte do homem como da mulher, “não os leva a parte alguma”. Não sendo ingénuo, ele sabe que esse respeito, o tal que leva a “amar e fazer tudo o resto”, só é possível quando a fé e o amor coexistem. Então, se há um objetivo na poética de José Miranda, esse objetivo é o de fazer de cada ser humano, homem ou mulher, um templo onde reinam, num salutar convívio, a fé e o amor.

·      Uma outra mensagem que a poética de José Miranda veicula emerge da importância conferida ao humanismo e ao respeito pelos direitos fundamentais da pessoa humana.
A mensagem que aqui ressalta está muito ligada à vivência da fé e do amor. Porém, se na primeira mensagem a tónica é posta no aspeto sobrenatural e espiritual, nesta nova mensagem a tónica é colocada no humanismo e patriotismo das relações sociais.
É assim que no poema “A Capelinha Estragou Fechadura” (p.34), o poeta volta a exortar:

“O amor é belo/ quando belo é o par que se ama (…) // As rosas lindas dos nossos canteiros/ são protegidas por ruins espinhos (…) // Menina africana (…) // Que o teu sacrário seja sagrado (…) // Trabalha, estuda, organiza e defende-te (…) // Quem ama, não mata”.

Aqui, o humanismo do autor emerge da forma como vê o amor. Este só é belo e só existe quando “belo é o par que se ama”. No amor, humanamente concebido, se dá e se recebe, e nele as lindas rosas estão rodeadas de espinhos. Ou seja, assim como não há roseira e rosas sem espinhos, não há, também, amor humano sem atritos. Porém, é preciso saber colher as pétalas, sem se deixar ferir pelos espinhos. E isto só é possível quando o amor é partilhado, quando há transparência e tolerância no relacionamento, quando a donzela se respeita e se faz respeitar, quando o mancebo ama sem desrespeitar ou sufocar o amor.
Para melhor se fazerem respeitar, o poeta exorta as donzelas ao trabalho, ao estudo, à organização e a autodefesa, porque, nem sempre, os mancebos estão preparados para honrar o princípio de Santo Agostinho. Muitas vezes, há a tentação da “carne”, na ausência de um amor partilhado.
O poeta, para dar exemplo de um amor partilhado e moldado segundo o princípio de Santo Agostinho, eis como fala da sua esposa em “Un Puéma, Un Amigu di Sénpri, p.55:

“Nes mundu pasajeru,/ Nha séu más altu é bu sedju.// Baxu di Nhordés é bo.// Sen bo mi N ka ningen.// Di dia, bo é tétu d’es lar,/ Di noti, un bérsu di enbalar,/ Undi nha sonhu ta ganha/ Sénpri un nobu vigor,/ Pa gósi y pa bida interu.”

Aqui, o vate, eternamente apaixonado pela mulher amada, confessa a riqueza de um amor partilhado: “Nes mundu pasajeru (…) / Baxu di Nhordés é bo/ sen bo mi N ka nada”.
A esposa é quase divinizada. O lugar que ela ocupa está logo a seguir ao do Ser Supremo que é Deus. Ela quase que se transforma em razão de ser do marido “sen bo mi N ka nada”.
Ora, embora o poeta não diga, o amor pelo ente amado atinge essa elevada dimensão porque ele é correspondido, na mesma medida, a ponto de, estando no mundo passageiro, é capaz de atingir as alturas da mansão celestial. É por isso que, referindo-se à esposa querida, diz: neste mundo passageiro tu és o meu céu, hoje, amanhã e sempre.
A pedagogia do verdadeiro amor é traçada pela própria vivência do vate. É uma pedagogia eficaz na medida em que não se limita a falar do amor apenas a nível de princípios, mas a nível de uma vivência real e na primeira pessoa. É por isso que, falando, ainda, do ente amado, declara: “Di dia, bo é tétu d’es lar, / Di noti un bérsu di enbalar”.
Ora, o teto de uma casa é para agasalhar e proteger das intempéries todos os membros da família. Assim, o amor do casal contagia e se projeta no amor de todos os integrantes do lar, isto é de toda a família. Por outras palavras, um verdadeiro amor do casal é o melhor viveiro para o amor do e no lar. E isto não só é humanamente possível como também é espiritualmente aconselhável, sendo certo que um humanismo equilibrado e vitaminado no lar é fonte, também, de uma fecunda vivência espiritual. Toda a pedagogia do vate vai no sentido de valorizar o humano e aperfeiçoar o espiritual. E isto é uma corrente que perpassa por toda a poesia de José Miranda.
Mas o humanismo do poeta não se restringe apenas à vida no lar. Ele se preocupa também com outros setores da sociedade. No poema “Um de Junho” (p. 56), à semelhança do poema “Criança”, de Jorge Barbosa, o poeta mostra-se defensor dos direitos desta e doutras camadas sociais, quando escreve:

Desde Oriente ao Ocidente,/ Em todos os continentes,/ Toda criança tem direito/ De viver e, estar contente.// Infelizmente, não acontece.../ O interesse da Criança/ Está muito prejudicado.// Muitas perdem esperanças,/ Porque o Homem no seu avanço/ E na fúria das matanças/ Seja com bombas ou lanças,/ Não poupa vida às crianças.// Nós que estamos em liberdade/ E temos possibilidade/ Gritemos cada vez mais forte:/ Não queremos mais morte.// Não queremos mais fome.// Não queremos mais guerra.// Não queremos mais droga.// Não queremos mais roubo,/ Nem prostituição.// Viva a paz.// Viva alegria.// Viva crianças do mundo inteiro”.

É o humanismo do poeta que o leva a constatar que os direitos das crianças, do Oriente ao Ocidente, em todos os continentes, não estão a ser respeitados e reclama a reposição dos mesmos. É este mesmo humanismo que o leva deplorar as guerras, as matanças, o terrorismo, a fome, a corrupção, a insegurança, a droga, a prostituição, a falta de inclusão…
Diríamos que todos os problemas do mundo moderno, tudo o que vai contra a paz, contra a fraternidade, contra a inclusão, contra a qualidade de vida e do ambiente, numa palavra, tudo o que constitui ameaça para a humanidade é objeto de denúncia e de preocupação por parte do escritor-vate.
A sua oficina de poeta inquieto, mais interventor que sonhador, não se restringe apenas aos valores do humanismo. A exaltação e a busca de patriotismo encontra eco permanente na gramática da sua poesia e na poesia da sua gramática. E isto nos leva a entrar no último aspeto da nossa reflexão ou seja:

O Lugar que Pátria ocupa na Poética de José Miranda.
Vivendo nós num mundo globalizado, o sentimento de patriotismo e de identidade nacional e territorial tem sofrido alguma erosão. O mundo já não é uma casa de portas e janelas fechadas, mas sim um campo de horizontes abertos, em todos os sentidos. Assim, a pátria, cada vez mais se vai diluindo nos valores de um humanismo planetário. A tendência parece ir, cada vez, no sentido da edificação de uma entidade que reclama mais da bandeira do humanismo do que da do nacionalismo estreito. É por isso que assistimos à constituição dos Estados Unidos da América, da União Europeia, do projeto da União Africana, da criação das Nações Unidas, da constituição de vários blocos económicos, políticos e culturais, cada vez mais crescente.
Porém, apesar de toda essa tendência globalizante, as diversas nações do mundo continuam a acarinhar e a defender os valores que as particularizam e especificam, na certeza de que o global só existe porque o local resiste e persiste.
A defesa da pátria e dos valores que a enformam encontram um forte eco na poética de José Miranda.
Em carta que o autor me dirigiu, chegou a confessar-me que, face a degradação de valores, tanto os espirituais como os do humanismo e do patriotismo, sentiu a necessidade de exercer uma pedagogia de transmissão e exaltação dos mesmos, numa atitude quase que missionária, particularmente junto da classe juvenil, aquela que é mais suscetível a contravalores e à miragem de pasárgadas e de paraísos ilusórios.
Retomando a pedagogia do patriotismo, sem se esquecer a da fé e do humanismo, no “Poemas de Esperança” (p. 59), o poeta confessa:

“Sou sim,/Uma criança.../Um homem pequenino.//Dentro de mim há uma ânsia/De ser um sino que anuncia a paz.// (…) Dentro de mim há a esperança/De justiça no meu país.// … há a intenção/Contra o pecado e a tentação.// … Somos plantas em crescimento,/…A esperança e o alimento/Da nossa Pátria, Cabo Verde.// Somos todos continuadores/Dos nossos pais e professores.//Seremos luz, água e energia,/Deste mundo cego…”.

O poeta se transforma numa criança pequenina, sem malícia nem maldade, confessando querer ser o mensageiro da paz, da justiça, da luta contra o pecado e a tentação, a esperança e o alimento da pátria, continuador dos pais e professores, esplendor de luz, fonte de água e de energia num mundo egoísta e carente dos valores que enformam tanto a fé, como o humanismo e o patriotismo.
E porque nesta parte é o patriotismo que prende a nossa atenção, vamos deter-nos na mensagem em que o poeta invoca a esperança de ser o alimento da pátria “Cabo Verde”, sendo continuador dos pais e professores. É por isso que manifesta a vontade de ser luz que ilumina as nossas tradições, água que fecunda e aprofunda as nossas raízes.
Sendo um filho de Assomada, o poeta insurge-se contra o visual acinzentado da sua cidade, devido à falta de pintura na parte exterior dos edifícios. Eis como ele convida os seus patrícios, particularmente os emigrantes, a cuidarem das respetivas habitações, já que isto é também um sinal de patriotismo:

“Filho ou filha que vem de fora,/ Se contribuis pelo meu aumento/ Não te satisfaça o meu crescimento.// Não pares apenas no ferro e cimento.// Esforça-te e dê os acabamentos.// Por dentro, sim, para o teu descanso/ Também, por fora, para o meu encanto.// Convida turistas a virem contigo/ Gozar um pouco do meu clima de ouro/ Que Europa e América e nenhum outro Possui,/ O que só é possível, se com a Natureza/Juntardes a mão e me derdes a beleza.// Sou Assomada,/ … Estou nua!.../ Contudo, sou tua...”.

Falando da sua cidade Assomada, diz o poeta: “Estou nua/ contudo sou tua”. Sendo uma cidade tão bonita, no alto de um planalto, embalada e cortejada, dia e noite, pelo Pico de Antónia, pelo Monte Birianda e a Cordilheira da Serra Malagueta, com um clima doce e ameno que faz inveja tanto na Europa como nas Américas, porque será que os seus próprios filhos te deixam nua e abandonada, pergunta o poeta.
Um patriota é também aquele que se interessa pela valorização do seu meio ambiente, e o lar é o centro desse mesmo meio. Não faz sentido cuidar apenas do seu interior e abandonar o exterior. Por isso, o poeta pede aos conterrâneos que se esforcem um pouco mais com os acabamentos para que o encanto da sua cidade seja maior. E se o fizerem, a Cidade de Assomada revestir-se-á de encanto, atrairá mais turistas e o seu crescimento vai rimar com o seu desenvolvimento, ficando mais reforçado o sentido da nossa cidadania e do nosso patriotismo.
No poema “A Cidade de Assomada no Planalto de Mato Engenho” (p. 206), reafirma os deveres e obrigações que os  santacatarinenses deveriam assumir perante aquela que é  “Terra querida, santa e saudável”.
Continuando a exprimir a sua estranheza, o poeta, umas vezes exclama e outras vezes interroga e se interroga, às vezes ainda ordena:
“Como serias forte se os teus grandes e formados quadros,/Melhor de ti se lembrassem!”
Prosseguindo, reafirma:

 “… um filho educado, não se esquece de amar e servir os pais”.

Continuando:

“… Porque é que de ti se esqueceram?!/ Onde estão os teus meninos?/ Onde estão os teus formados?/ Onde estão os teus quadros?!/ Onde param teus rapazes e tuas moças, a quem tanto apostaste?/ Com arquitetos e engenheiros, médicos, juízes e economistas,/ geógrafos e administradores,/ sacerdotes, freiras e pastores,/ cientistas de todas as cores/ E tu, gemendo sob o peso de várias dores…/Todos passam e te veem,/ Nada fazem, nada dizem … ».

E prosseguindo:

“… Assomada, eu te bendigo.// Apesar de nua e parda,/ És brilhante e atraente e, para muitos, até, bendita… // Só falta aos teus cidadãos/ Virar melhor a atenção/ E deitar as suas mãos à tua reconstrução,/ Repondo em ti, com gratidão,/ O fruto da formação recebida, como resposta da educação …// Espero ver-te como as demais,/ uma cidade ornamentada e sobretudo, organizada,/ Ainda enquanto eu viver”.

No poema em análise, o pedido do poeta é quase uma ordem. Num primeiro momento, consta que Assomada seria forte se os seus filhos dela se lembrassem. Depois, com a autoridade de um ancião sábio, proclama que um filho bem-educado nunca deixa de amar e servir os seus pais. Mais à frente, pergunta pelo paradeiro dos muitos quadros de Santa Catarina e em diversos domínios do saber. Constata que apesar de ter contribuído para a formação de muita gente, todos passam por ela, sem a enxergar, sem dizer nem fazer nada.
Apesar de toda essa ingratidão, canta Assomada, sua musa: “… eu te bendigo// apesar de nua e parda”. E em jeito de nota final, exprime o seu maior desejo:

“… Espero ver-te como as demais,/ uma cidade ornamentada e sobretudo, organizada,/ Ainda enquanto eu viver”.

Aqui ficam os sonhos e o desafio de um santacatarinense de fibra, de corpo e coração.
Estou certo que a melhor recompensa que espera de todos os filhos e amigos de Assomada e de Santa Catarina é que cada um, em conformidade com a sua capacidade e força de intervenção, contribua para que esta parcela, que também é Cabo Verde, ocupe no mapa do Arquipélago o seu verdadeiro lugar.
Mais recompensado, ainda, ele ficará se os jovens e menos jovens souberem aproveitar o seu magistério de fé e de amor, a sua pedagogia de humanismo e patriotismo.
E se isso acontecer, terá motivos para dizer que a sua mensagem caiu em boa terra, como aquela de santa Catarina, e que Deus, certamente, abençoará as azáguas, as muitas azáguas da sua/nossa querida Cidade do Planalto, tanto as azáguas da fé e amor, como aquelas de humanismo e patriotismo.

                            Abril de 2016                                                                            









quarta-feira, 29 de março de 2017

O Sentir Literário da Época de José Lopes E o Húmus da sua Poesia




A Literatura Caboverdiana e o Sentido de pertença de cada Época

                                                                                          Por Manuel Veiga

A poética de José Lopes está moldada em conformidade com o sentir da sua época e com os constrangimentos sociais, culturais e ambientais do seu tempo.
Não há nenhuma identidade literária que seja um muro fechado ou uma fortaleza blindada. Isto seria uma pobreza que, particularmente no aspeto literário, é revelador de um ostracismo sem a leveza, a projeção e a fecundidade da arte.
Na história da nossa literatura, temos e continuaremos a ter vários momentos, cada um com o seu sentir e a expressão da sua época, todos eles importantes e reveladores da dinâmica cultural e criativa de um povo que sempre soube manifestar a sua fome existencial e a sua ambição insaciável de ser mais e de ter mais e melhor qualidade de vida e do ambiente, no campo cultural, no campo humano, no campo social.
Acontece que o sentir literário e a expressão artística, em Cabo Verde, nem sempre foram interpretados com tolerância e espírito de inclusão crítica.
É assim que a “claridade” foi quase que um “muro” em relação tanto à geração literária antecedente (a dos ditos pré-claridosos) como, de alguma maneira, a subsequente (a dos rotulados pós-claridosos), particularmente aqueles que recusaram ler pela cartilha, única e exclusivamente, do telurismo étnico.
É por isso que o poeta e ensaísta José Luís Hopffer[1], falando da identidade literária caboverdiana, afirma que esta  foi amiúde rotulada de evasionismo e de inautenticidade. Eis o que ele diz:
“… os poetas e escritores caboverdianos mais avessos (ou tão-somente indiferentes, ou temporariamente indiferentes) à “monocultura identitária”, em parte ou na totalidade da sua obra, têm sido amiúde acusados de inautenticidade e apatridia literárias, bem como de sabida ancoragem num universalismo supostamente desenraizado, os quais, por seu lado, são percepcionados como epifenómenos de uma espécie de novo evasionismo na literatura caboverdiana”.

Na mesma linha, a Prof. Fátima Fernandes[2] escreve: 
Se, antes da independência, fazia sentido uma “busca” da identidade, a qual teria reflexo na afirmação da nacionalidade; após a autonomia poderia ser questionada e considerada inoperante e desnecessária tal procura.”
Reforçando o seu posicionamento, Fernandes (op. cit. p. 152) cita BAUMAN Zygmunt para quem
“… O ‘pertencimento’ e a ‘identidade’ não têm a solidez de uma rocha, não são garantidos para toda a vida, são bastante negociáveis e revogáveis (…) Em outras palavras, a ideia de ‘ter uma identidade’ não vai ocorrer às pessoas enquanto o ‘pertencimento’ continuar sendo o seu destino, uma condição sem alternativa. (F. F., apud BAUMAN, 2005, p. 17-18) ».
A Nova Literatura em Cabo Verde - segundo o poeta Filinto Elísio, citado por FF (p. 155 da sua tese de doutoramento) - é
[...] assumidamente não Claridosa, isto é, … não tem a Claridosidade como seu eixo central e muito menos seu fio condutor”.
Tudo indica que para o novo sentir literário, em Cabo Verde, a literatura não tem que ter, necessariamente, uma identidade de portas fechadas, nem ser uma espécie de muro impenetrável. Naturalmente, ela tem que ter alguma identidade, aquilo que Bauman interpreta como o sentimento de pertença, mas sem obedecer, no dizer de Filinto Elísio, aos motes desta ou daquela época, sem se deixar policiar pelos cânones nem dos nativistas, nem dos realistas, dos neo-realisrtas, dos nacionalistas e no dizer de JLHA, sem incensar, ilegitimamente, também, nem o telurismo e nacionalismo exacerbados, nem, exclusivamente, “a arte pela arte”.
Nesta perspetiva, a literatura caboverdiana - sem alcandorar a “Claridade” como centro (girando à sua volta a identidade ou não-identidade dos pré e dos pós-claridosos), mas também sem catalogar nenhuma das épocas como centro ou periferia, sem incensar nem o telurismo étnico, nem a arte pela arte - deve poder descobrir o sentido de pertença de cada época e, criticamente, analisá-lo ou apreendê-lo, de acordo com o sentir cultural, social e ambiental dessa mesma época. Esta perspetiva, dizia, leva-nos a encarar a história da nossa literatura na sua dinâmica, sendo todas as épocas importantes, por serem o retrato de um sentir, de uma visão e de uma práxis, situados no tempo e no espaço.

A Época de José Lopes e a Busca de Referências: nasceu na Ribeira Brava, em S. Nicolau, a 15 de Janeiro de 1872 e morreu em Mindelo a 2 de Setembro de 1962 (ver a sua biografia na presente obra). Aos 15 anos viveu na Praia onde pôde conhecer Guilherme Dantas; esteve também em Angola (1891) onde trabalhou numa fazenda; passou 6 anos na Boavista onde contraiu o matrimónio. Passou algum tempo em Oeiras (Portugal). De regresso a Cabo Verde foi transferido para Santo Antão onde exerceu docência no magistério primário, de 1900-1928. A partir desta data, e até 1931, foi professor no Liceu Infante Dom Henrique, em S. Vicente. Ainda, segundo Brito Semedo e João Nobre de Oliveira foi agente consular do Brasil e da França, foi condecorado pelo Ministro do Ultramar, Prof. Adriano Moreira, em 1962, com a Ordem do Infante Dom Henrique; distinguido pela França com a Légion d’Honneur, pelo General De Gaule, como reconhecimento pelo soneto “La France”, escrito no quadro da Resistência, durante a 2ª Guerra Mundial. Foi ainda reconhecido como Pupilo do Império Japonês pelo Imperador Hiro-Hito, na sequência do poema heróico que exalta Japão na Guerra Russo-Japonesa de 1905. Também a Academia Francesa aceitou-o como membro e a Suíça declarou como património o seu poema “Helvétia”. A sua obra em inglês foi inscrita na Biblioteca do Congresso nos EUA. Recebeu menções honrosas do rei Alberto I da Bélgica e do rei Jorge VI da Inglaterra.
Em Cabo Verde, nos idos de 1928, foi homenageado, durante a semana dos poetas, juntamente com outros confrades. Em 1972, por ocasião do seu centenário de nascimento, voltaria a ser homenageado pelas autoridades de então. Mais tarde, no período pós-Independência, o então Presidente, Dr. António Mascarenhas Monteiro, pelo decreto 3/95, de 2 de Fevereiro, a título póstumo, condecorou-o com o Segundo Grau da Ordem do Dragoeiro e a 1ª Classe de Medalha de Mérito. Em S. Vicente há uma praça que leva o seu nome e ostenta um busto em sua memória. O mesmo foi apeado no seguimento dos acontecimentos violentos de 25 de Abril de 1974, mas o bom senso acabaria por mandar repô-lo, em 1985.

Pelos dados acima referidos se pode concluir que José Lopes foi um intelectual distinto, reconhecido particularmente no além-fronteira. A nível interno, a partir da década de 1990 viria a ter reconhecimento oficial de maior destaque.
Este reconhecimento tardio se deve à interpretação do sentir literário do tempo de José Lopes em função dos cânones particularmente o de “fincar os pés no chão” (em exclusividade fronteiriço) e o do nacionalismo literário um tanto-ou-quanto exacerbado do chamado período pós-claridoso, particularmente com os defensores de uma literatura telúrica (concêntrica) e politicamente mais engajada.
Acontece que na época protagonizada por José Lopes, por Pedro Cardoso, Eugénio Tavares, Luís Loff de Vasconcelos, entre outros, havia um sentir literário emergente num contexto de pátria lusitana e de mátria africana, ligado mais ao ritmo e estética romântica, grandiloquente e classizante, do que aos cânones do realismo, do modernismo e do pós-modernismo protagonizados seja pelos claridosos, seja pelos escritores das épocas subsequentes.
Na óptica de JLHA  citado por FF(op.cit. p. 93-94):
“… Um alegado alheamento literário em relação à realidade caboverdiana injustamente atribuído aos nativistas, aliado à utilização de uma linguagem de tom grandiloquente e classicizante, dominante em Cabo Verde até à década de trinta do século passado e persistentemente cultivado até à morte, em 1962, do seu maior artífice nas ilhas, José Lopes, bem como por outras personalidades proeminentes da cultura caboverdiana, como Pedro Cardoso (…) foram os alvos principais da démarche modernista de fincar os pés na terra, protagonizada pelos escritores claridosos …”.
Durante muito tempo, José Lopes - o patriarca dessa poética “grandiloquente e classizante”, onde os cânones do telurismo étnico e do nacionalismo restrito não constituíam, rigorosamente, preocupação única, não só foi esquecido nos meios literários (razão por que não consta da antologia No Reino de Caliban, de Manuel Ferreira), como também foi acusado de evasionismo telúrico e político e sua produção poética foi apoucada ou minimizada, sendo antecessora da corrente literária subsequente, mas sem a dignidade de ser precursora da mesma corrente, por não constituir nem elemento de referência, nem de inspiração.
 Vivendo ele no período colonial, e numa altura em que o romantismo fazia escola, e havia recurso à mitologia para explicar o que a realidade de então não compreendia ou, então, não conseguia decifrar, José Lopes, mas também Pedro Cardoso, lançaram mão do mito hesperitano ou arsinário para interpretar o passado das nossas ilhas.
Numa página da Internet[3] o autor de “O Mar na Poesia de Cabo Verde” afirma):
“… As obras de José Lopes e de Pedro Cardoso, já nos seus títulos (Hesperitanas, 1928, e Hespérides, 1929; Jardim das Hespérides, 1926, e Hespéridas, 1930, respectivamente) interpretam a origem [de Cabo Verde] como: ilhas do velho Hespério – pai das Hespéridas – que abrigavam jardins repletos de pomos de oiro, guardados pelo dragão de cem cabeças, morto por Hércules (…)”.
Ao que tudo indica, tanto José Lopes como Pedro Cardoso recorreram a esse passado mítico para denunciar a situação de miséria e de abandono por que passavam as ilhas de Cabo Verde, na época em que viveram.
A busca do passado de glória para explicar o que a história não consegue ou não dispõe de elementos para explicar era frequente na época de José Lopes e nas épocas anteriores. Basta recordar o mito de Atlântica assim retratado[4]:
 “Atlântida teria sido um paraíso, uma lendária ilha cuja primeira menção conhecida remonta a Platão”.
Porém, em apenas uma noite, Atlântida foi engolida pelo mar. Este é o mito que, provavelmente, inspirou tanto José Lopes de Hesperitanas e Jardim das Hespérides e Pedro Cardoso de Hespéridas e Jardim das Hespéridas. Ao que parece, o mito de Hespérides ou Hespéridas constitui o que da gloriosa Atlântida sobrou.
Como terá surgido o mito hesperitano? Tudo indica que, frente aos rigores de uma natureza que, ciclicamente provocava a seca e a fome, bem como o colonialismo que privava os caboverdianos da liberdade, justiça social e respeito pelos direitos fundamentais, alguns intelectuais, como José Lopes e Pedro Cardoso sonharam e arquitetaram o mito hesperitano, uma espécie de pasárgada do seu tempo, como forma de exaltação da história das suas ilhas.
Assim visto, o mito hesperitano teria por função a procura de equilíbrio (ainda que apenas sonhado) num ambiente sufocado pela estiagem natural, cultural e política.
José Lopes, desiludido com o esquecimento das ilhas, por parte da então “Metrópole”, estando na altura na Boavista (em 1899), proclama o desejo de as ver independentes.
Do mesmo modo, defendendo a pátria lusitana, Eugénio Tavares, em 1914, no n.º 176 d' A Voz de Cabo Verde lança estas interrogações:
Será «Crime o nativismo? Crime amarmos mais o que é nosso do que é alheio? Será crime esse dulcíssimo sentimento de amor à terra em que nascemos?».
É por isso, ainda, que Pedro Cardoso, defendeu, com corpo e alma a dignificação do crioulo e promoveu as tradições culturais de Cabo Verde (ver, entre outras tomadas de posição, a conferência proferida em 1933, no Teatro Virgínia Vitorino, na Praia, e o seu livro Folclore Caboverdeano).
Ora, os que assim agem não podem ser apodados de poetas alienados ou de evasionistas telúricos, mesmo sendo defensores, ao mesmo tempo, da pátria lusitana e da mátria caboverdiana, o que para muitos era uma posição dúbia e inaceitável.







O Húmus da Poética de José Lopes

O Soneto como Técnica: O autor de Jardim das Hespérides é um cultor e amante do classissismo, tanto na forma, como, em algum sentido, no conteúdo também. Na obra que a Academia Caboverdiana de Letra (ACL), em muito boa hora, decidiu reeditar, em termos formais, escolheu o soneto como forma poética de expressão. Segundo Emesrson Santiago[5]
O soneto é composto por dois quartetos e dois tercetos, ou seja, quatro estrofes  (conjuntos de versos), sendo que as duas primeiras devem conter quatro versos e as duas últimas três, num total de catorze versos
Nos sonetos de Jardim das Hespérides, temos sempre, ou quase sempre, duas quadras, dois tercetos e catorze versos, a métrica de catorze sílabas (os chamados decassílabos), e as rimas estão organizadas da seguinte maneira: a) nos quartetos, o primeiro verso rima com o quarto e o segundo com o terceiro. Esta disposição é, formalmente, representada por abba, designada por rima interpolada (intercalada ou opostas)[6]. b) Nos tercetos, o primeiro verso rima com o segundo e o terceiro verso do primeiro terceto rima com o terceiro do segundo terceto, sendo a disposição formalmente representada por aab.
Vejamos no poema Tributo Final, página 135 as caraterísticas do soneto de JL, acima referidas:

“Ilhas de Cabo-Verde ! — No meu verso
 Eu quisera elevar-vos tanto, tanto,
 Que transmitir pudesse no meu canto
 Vossos nomes a todo o Universo!...


 Terra da minha pátria! onde disperso
 Fica o meu ser, em átomos de pranto,
 Amor e sofrimento!... Meu encanto,
 Mesmo na dor o coração imerso!...
 Eu te saúdo! Teu obscuro filho,
 Se não te posso dar, do génio o brilho,
 Contudo a um grande amor podes sorrir!

 Recebe o coração do teu poeta.
 Possa na morte, em lágrima discreta,
 Levar n’alma a visão do teu porvir!...
 Húmus da poética de JL: O chão da poesia de José Lopes é hesperitano[7]. Tanto no título desta obra (Jardim das Hespérides), como nas várias referências feitas pelo autor, o ambiente hespiritano é uma constante. Dir-se-ia que o poeta enraíza, poeticamente, a identidade e a pátria crioulas nesse chão hesperitano que outros chamam, também, “arsinário”.
 Vejamos alguns exemplos, para além do título da obra:
·       No poema “Batendo à Porta”, p. 21 encontramos:

Da Torre de Marfim onde viveis, Poétas! / À porta, vem bater um que é da Hespéria oriundo”.

·      No poema “Hespérides”, p. 28, 2º quarteto e 1º terceto, descreve o mito hesperitano:

“Lendas e velhos contos, são bonitos!
 Tal o das três irmãs Hesperetusa
 E as outras duas, Egle e Aretusa –,
 Vossas mães, — as Hespérides dos mitos –,

 Descendeis delas, que, de Héspero filhas,
 Tinham no seu jardim, as nossas ilhas,
 Pomos de oiro, da guarda de um dragão...

Em vários outros poemas encontramos referências ao mito hesperitano.

Ora, a pergunta que se coloca é: porquê essa presença, quase que obsessiva, do “ mito hesperitano”? Segundo Carmen SECCO, atrás citada, as “ilhas do velho Hespério – pai das Hespéridas – que abrigavam jardins repletos de pomos de oiro, guardados pelo dragão de cem cabeças, morto por Hércules (…)”, é o mito de que tanto José Lopes como Pedro Cardoso se serviram para dar corpo a uma pátria e a uma identidade que a então realidade das ilhas, flageladas pela estiagem, esquecidas e abandonadas pelo poder central, não satisfazia  ao sonho e ao ideário dos que prezavam  o humanismo, a inclusão, a liberdade, a dignidade e a igualdade de oportunidade para todos os caboverdianos.

José Lopes, denunciando a situação degradante em que viviam os caboverdianos, afirma, em 1899, no número 14 da Revista de Cabo Verde
“… dia virá em que o povo há-de triunfar dos que ou o desprezam, ou o oprimem, ou o envenenam (…) tenho anseios de que algum dia, embora no derradeiro momento da vida, pudesse ter o prazer de ver estas pobres ilhas independentes.

Na mesma altura, um coevo de JL, o poeta Eugénio Tavares, denunciando a mesma situação, em 1900, no jornal Alvorada, dizia

Portugueses irmãos, sim; portugueses escravos, nunca. Havemos de ter o nosso Monroe[8]: A África para os Africanos”.

Também Pedro Cardoso, coevo de José Lopes, na sua “Ode à África”, de 1922, se insurge contra os que em África ou em Cabo Verde vêm sugando o suor dos seus habitantes. Vejamos a sua indignação:
“África minha, das esfinges berço/ já foste grande, poderosa e livre (…)/ Mas hoje jazes sem poder sem nada/ (…)/ Sobre o teu corpo, ó meu leão dormente/ vieram bárbaras nações pousar/ E, quais harpas truculentas, feras/ Nele cevar…”.
Nessa mesma linha, já Luís Loff de Vasconcelos, em 1900, na sua obra A Perdição da Pátria, referenciada por João Nobre de Oliveira (atrás citado), proclama, ele também, a sua indignação perante os desmandos das autoridades da então metrópole, para com Cabo Verde, nos seguintes termos:
“Temos inúmeras razões, como filho de uma das colónias portuguesas, para graves ressentimentos contra a mãe pátria, pela sua descuidada tutela e desleixada administração colonial, que não tem permitido o largo desenvolvimento moral e material que a nossa terra, o nosso querido Cabo Verde, poderia ter. As leis que se decretam para esta província, ou são inexequíveis ou atrofiadoras”.

Quem, como José Lopes, Eugénio Tavares, Pedro Cardoso, Luís Loff de Vasconcelos, reclama a cidadania inclusiva para Cabo Verde e para os caboverdianos, sejam eles vistos como Jardim das Hesperides ou como hesperitanos, não pode ser considerado alienado e desenraizado, mesmo defendendo, em uníssono, a pátria portuguesa e a mátria hesperitana (entenda-se, caboverdiana).

A poética de José Lopes e a sua intervenção cívica fazem coro com as reclamações dos chamados “pré-claridosos”, acima referidos, sobretudo na denúncia que encontramos no número 14 da Revista de Cabo Verde, acima referida. 

Podemos, pois, afirmar, que o chão da sua poética, para além do sonho hesperitano de ver as ilhas alcandoradas a um patamar mais alto de dignidade e de desenvolvimento, expressa também um “telurismo” – não, propriamente, o da valorização do crioulo ou da esconjuração da insularidade madrasta (com o seu coro de fomes, secas e estiagem), mas um telurismo que se confunde ou que dialoga com um humanismo de horizontes abertos. E isto porque, na sua conceção, o mundo só seria hesperitano quando passasse a ser uma aldeia global, de cidadania plena, de dignidade reconhecida e vivida, de direitos respeitados e de deveres assumidos.

Um tal telurismo de rosto humano e de janelas abertas para o mundo - a partir do chão das ilhas (as suas hespérides) - não é, de forma alguma, nem alienado, nem alienante. Com efeito, “Tempora Mutantur, Nos et Mutamur in illis[9]” (os tempos estão mudando e nós estamos mudando com eles), num sentir diferente, é certo, mas sempre em defesa das hespérides e dos hesperitanos (entenda-se Cabo Verde e caboverdianos).


Ora, um poeta “e pluribus unum” (plural e uno), com uma visão do global, sem perder a geografia do local, defendendo (em português, inglês, francês e latim) a cidadania do humanismo e a dignidade da sua mátria hesperitana, com pergaminhos de reconhecimento em vários pontos do globo – um poeta, dizia, com esta dimensão, engrandece o nosso ser, fecunda e vitaliza o nosso existir, quer nas ilhas hesperitanas, quer nas achadas, cidades e ribeiras de Cabo Verde, quer em qualquer ponto do mapa, com todas as cores e harmonia do arco-íris.

 Há que entender e interpretar, de forma crítica, a poética de José Lopes, de acordo com o sentir, com os valores e com a estética e as preocupações da sua época. E se assim o fizermos, poderemos dizer que a oração do poeta não foi em vão, quando, no poema “ Batendo à Porta”, p. 21,  ele suplica:

Da Torre de Marfim onde viveis, Poetas!
À porta, vem bater um que é da Hespéria oriundo.
Como vós naufragou no Mar de Dôr do mundo
E sentiu o travor das lágrimas secretas...

(…)

Ó Cisnes lmortais! dai-me uma sombra, à entrada
Venho de muito longe, andei a Longa Estrada!
Abri! Sou, como vós,— mendigo do Ideal!


A poesia de José Lopes, esse gigante da arte de Minerva e “da Hespéria oriundo”, fez-me sentir a dor do seu tempo, “as secretas lágrimas vertidas”, a universalidade e inclusão do seu pensamento, o sentido do seu verbo e da sua sintaxe, o chão hesperitano da sua mensagem e a grandeza de um ideal que, como um iluminado precoce, chegou a antever a dignidade das suas ilhas respeitadas, como acontece no Jardim das Hespérides, ainda que no derradeiro momento da sua vida.

Por isso, nós é que lhe pedimos para que nos deixeis entrar na Torre de Marfim por si sonhado e arquitetado, “beijar o pórtico jucundo e profundo do [vosso] Palácio Azul” e inclinar-nos, em profundo recolhimento e reconhecimento, ao pé do Monumento literário que nos legou.

Obrigado José Lopes. Vós sois, seguramente, um dos nossos Cines Imortais. Só que o humanismo da vossa arte não nada apenas no mar de canal e nem somente no tão celebrado telurismo étnico, mas também aspira a outros oceanos, para além da cortina que separa as hespérides do lado de lá, como que a querer ser compreendido e confundido com a imensidão de um universo inconsútil, sem a exclusão das ilhas, sem a fronteira entre os continentes.

Nota Final
Por tudo o que ficou dito, a poética de José Lopes não só honra como engrandece a literatura caboverdiana e universal: pela beleza, pela elevação, pela elegância, pela leveza, pela temática, pela cidadania, pela universalidade, pelo humanismo, atributos estes que só uma poética de grande envergadura pode ter.
Eu devo penitenciar-me por só agora, da minha suposta “torre de marfim”, ter podido escutar o “bater à porta” do poeta da “Hespéria oriundo, sentir a sua poesia e achar o seu pensamento”. Por isso, para mim, ele tem um lugar de destaque, à sombra do grande PEDESTAL, do grande MONUMENTO que é a LITERATURA CABOVERDIANA e UNIVERSAL.
Como eu, muitos se deixaram levar pela cantiga dos que diziam que os pré-claridosos, com exceção de Pedro Cardoso e Eugénio Tavares (cultores, respetivamente, do crioulo e da morna), eram alienados e desenraizados.
Agradeço a Academia Caboverdiana de Letras que, ao pedir-me para prefaciar a obra, deu-me a oportunidade, não só de ouvir a “oração” de José Lopes, mas sobretudo de dar-me conta do quanto a minha geração (e não só) foi prejudicada com a propaganda desinformada de que os “pré-claridosos” eram desenraizados e não tinham a dignidade, sequer, para serem os precursores das gerações literárias, a eles subsequentes, devendo contentar-se apenas com o estatuto de antecessores.
Pelo encontro que tive com Jardim das Hespérides, ficou-me a certeza, sem nenhuma réstia de dúvida, que a poética de José Lopes engrandece a nossa literatura, engrandece a língua portuguesa e as literaturas nela moldadas. Por isso, peço às instituições do ensino e às associações culturais de Cabo Verde que façam tudo para que a geração anterior à claridade e o sentir do seu tempo sejam conhecidos, interpretados e avaliados com justiça, com conhecimento e com humanismo.

                                                                                  Março de 2017
                                                                                   Manuel Veiga




[1] “Que caminhos para a poesia caboverdiana? Antigos e recentes debates e controvérsias sobre a identidade literária caboverdiana” in  Navegações, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 93, jan./jun. 2011
[2] A expressão metafórica do sentido de existir na Literatura Cabo-verdiana contemporânea: João Varela, Corsino Fortes e José Luís Tavares, Tese de doutoramento, 2013, p.151.


SECCO Carmen L.T.R. (org.), 1999. Antologia do mar na poesia africana de Língua Portuguesa do séc. XX: Cabo Verde. Rios de Janeiro: UFRJ.
[5] http://www.infoescola.com/literatura/soneto/
[6]  Existe m ainda as seguintes rimas:  cruzada ou alternada, quando o primeiro verso rima com o terceiro, e o segundo com o quarto; emparelhada, quando o primeiro verso rima com o segundo e o terceiro co o quarto; encadeada ou interna, quando palavras que estão no fim rimam com as que estão no interior do verso; misturadas, quando não há uma ordem determinada; versos brancos ou soltos, quando não têm rima (cf. wikipédia).
[7]  Conferir o Mito Hesperitano atrás referido na bibliografia da nota 4.
[8] O Presidente James Monroe é um pan-americanista que, em 1823, no Congresso dos EUA, se insurgiu contra a colonização do Continente americano pelos europeus.
[9] Poema  homólogo, dedicado aos Drs. Roberto Martins e Adriano Duarte Silva