quarta-feira, 17 de novembro de 2021

FÓRTI KUSA GALANTI!

 

Na tudu párti di mundu, aspétus ralasionadu ku identidadi di un povu é di purmeru grandéza. Y kel-li pamodi un povu, sen si identidadi, é sima saku vaziu: el ka ta konsigi fika sakédu; é sima balai nborkadu: béntu ta leba-l pa undi el kre.

 

É tristi un povu ki ka ta valoriza si própi kabésa, si própi identidadi. El ta atxa ma identidadi di otu algen ki é úniku “ramu di pega na el”, mésmu ki na el e pode foga.

 

Na Kabuverdi, inda, ten txeu algen ta dispreza ô ta rabaxa língua di si téra, língua ki el obi na bariga di si mãi, ki el mama na el, el brinka através di el, el konkista kretxeu ku el, el sunha na el, el kumunika ku si mãi, ku si manus y manas, ku si kolegas di brikadera y di trabadju na el.

 

Pamodi, nton, dispreza-l y rabaxa-l ???!!!

 

Kenha ki sabe raspósta, pa dá, sen tuntunhi, sen baradji bóka.

 

Na verdadi, ken ki é amigu di si povu; ken ki ta stima si kabésa, ken ki ka é nen alienadu, nen disgardisidu, ta ama, ta valoriza y ta luta pa valorizason di si língua. Y kel-li é móda fase valorizason di si própi kabésa.

 

Dja N obi alguns méstri-ignoranti ta fla ma nu ta pâpia kriolu désdi ki nu nase y, pur isu, ma nu ka meste prende y studu u-ki dja nu sabe.

 

Modi N al konvense un ignnoranti, sima kel-li?! Anton purtugês, fransês, inglês ka ta studa ses língua pamodi es ta papia-l ô es ta ntende-l désdi ninhu di ses mãi?!

 

Dizintilijénsia ten limiti. Nhos po juís na kabésa, nhos dexa di nosentésa!

 

Algen pode opta pa ka studa, nin pa ka dexa si fidju studa kriolu. É si prubléma. Agó, kre inpidi, dizinkoraja, dispreza ô inkrimina ken ki kre valoriza si própi kabésa é ka apénas falta di étika, é falta di juís, di “prénda” na kabésa. Nhos toma kuidadu, gó, pa manduxu ku erbakória ka toma-nhos kónta di kural.

 

Manuel Veiga, 15/11/2021

 

Pragmatismo Versus Perfecionismo

 

Há vários anos que uma parte significativa da sociedade caboverdiana vem defendendo a introdução do magistério da língua caboverdina, de forma sistemática e abrangente. E isto, a coberto de dispositivos legais existentes, quais sejam:
1) A Resolução 8/98 que estabelece: “… progressivamente o crioulo caboverdiano será valorizado como língua de ensino”.
2) O Decreto-Lei 67/98 que, no preâmbulo, consigna: “… sendo o crioulo língua do quotidiano em Cabo Verde e elemento essencial da identidade nacional, o desenvolvimento harmonioso do País passa necessariamente pelo desenvolvimento e valorização da língua materna”.
3) Art. 7º.1 da Constituição da República (CR) que estabelece como tarefa do Estado “Preservar, valorizar e promover a língua materna e a cultura cabo-verdiana”.
4) Art.9º.2) da CR que ordena: “O Estado promove as condições para a oficialização da língua materna cabo-verdiana, em paridade com a língua portuguesa”, sendo certo que o que se pretende é a construção da paridade formal e informal entre as duas línguas da República.
5) Art.79º.3 f), igualmente da CR, segundo o qual “para garantir o direito cultura, incumbe especialmente ao Estado: Promover a defesa, a valorização e o desenvolvimento da língua materna cabo-verdiana e incentivar o seu uso na comunicação escrita”.
6) O Decreto Legislativo 2/2010, de 7 de Maio, sobre as Bases do Sistema Educativo que determina: “O Sistema educativo deve valorizar a língua materna, como manifestação privilegiada da cultura”.
Ora, o ensino do crioulo caboverdiano tem amparo constitucional e legal.
Já na década de 1980 foi introduzido na Escola de Formação de Professores do Ensino Secundário, mais tarde no ISE (Instituto Superior de Educação), seguidamente na Uni-CV. Esta última instituição não só o introduziu em vários cursos, como, em2010, criou o Mestrado de Crioulística e Língua Caboverdiana, de onde saíram vários/as mestres, alguns/as dos/as quais com o doutoramento, neste momento.
É certo que todas as condições não estavam criadas para a introdução do ensino do crioulo, porém, o ótimo é inimigo do bom. Cabo Verde, se tivesse esperado por reunir todas as condições para começar a lutar pela Independência, estaria ainda hoje sob o domínio colonial.
É preciso ousar; é preciso correr riscos calculados. É preciso sonhar com a perfeição, investindo no pragmatismo possível.
Eu saúdo vivamente a decisão do Ministério da Educação em realizar uma experiência piloto do ensino do crioulo, a partir do 10º ano de escolaridade. Com os ensinamentos colhidos nessa experiência vai-se poder generalizar o ensino do crioulo com mais segurança.
Como alguém que sempre lutou pela causa da afirmação da nossa língua materna, tendo participado no Colóquio Linguístico de 1979; no Fórum de Alfabetização Bilingue de 1989; alguém ainda que presidiu o Grupo de Padronização, de onde saiu o ALUPEC; alguém que assessorou o Governo no dispositivo legal que aprovou, experimentalmente, o ALUPEC e na institucionalização do Alfabeto Caboverdiano; alguém que coordenou o Mestrado de Crioulística e Língua Caboverdiana; alguém que já escreveu várias obras em crioulo e sobre o crioulo (gramática, dicionário, romances, ensaios vários, tese de doutoramento, estudo sobre Formação do Crioulo – Matrizes Originárias)
Julgo ter legitimidade para me pronunciar sobre o projeto de ensino piloto preconizado pelo Ministério da Educação.
E o meu pronunciamento vai no sentido de apoiar o projeto, recomendado que, na medida do possível, haja a preocupação de se procurar a melhor solução, com pragmatismo, realismo, responsabilidade e amor à Terra, à Pátria e à Caboverdianidade.
Se o meu percurso me der legitimidade para pedir algo ao meu povo, em matéria de valorização do elemento mais determinante da nossa identidade, eu pediria que, com sentido de responsabilidade e de realismo, ajuntemos as mãos para a concretização de tão nobre tarefa.
Que tenhamos como preocupação procurar a solução de problemas e não criar mais problemas.
Caboverdianamente,
Manuel Veiga,16/11/2021
Jose Luis Hopffer Almada, Marciano Moreira e 16 outras pessoas
2 comentários
6 partilhas
Gosto
Comentar
Partilhar

sexta-feira, 24 de setembro de 2021

 

CABRAL NA GALERIA DOS IMORTAIS

 

Numa feliz parceria, entre a Fundação Amílcar Cabral (FAC) e a Academia Caboverdiana de Letras (ACL), foi dada à estampa um número especial da Revista Novas Letras, toda ela consagrada a Amílcar Cabral.

Impõe-se lembrar  que Cabral é um dos imortais da ACL e eu, na qualidade de membro, o escolhi como o meu patrono na ACL.

Devo confessar que me sinto feliz por ter testemunhado, ontem, 22 de Setembro de 2021, ao lançamento da Revista acima referida e que contou com trabalhos de análise sobre as mais diversas facetas do legado de Cabral, por nacionais e estrangeiros.

A organização da edição esteve a cargo do Presidente e Vice-Presidente da ACL, bem como da Dra. Madalena Neves, membro do Conselho de Administração da FAC, tendo eu participado na negociação inicial e conceção do projeto.

A cerimónia contou ainda com uma singela homenagem a Aristides Pereira que, nesse 22 de Setembro, completou 10 anos do seu passamento. O Presidente da ACOLP, Dr. Carlos Reis foi quem proferiu o discurso comemorativo da data.

O ato foi abrilhantado por uma jovem artista musical, cujo nome não cheguei a fixar, e pelo Grupo Raiz de Polon que, como é o seu timbre, não deixou os seus créditos em mãos alheias.

A apresentação da Revista esteve a cargo da escritora Dina Salústio, ela também membro da ACL, tendo destacado a grande diversidade das participações e que sintetizou num princípio que era caro a Cabral “PENSAR COM a PRÓPRIA CABEÇA (para Melhor Agir e Agir para Melhor Pensar)”.

O enquadramento do ato esteve sob a responsabilidade do Presidente da ACL, Doutor Daniel Medina e o encerramento coube ao Presidente da FAC, Comandante Pedro Pires que, na ocasião, se referiu a três importantes projetos que a FAC tem em carteira: a preservação e divulgação do legado de Cabral; a preparação, em estreita colaboração com o Governo de Cabo Verde, da Candidatura do Legado-Escrito de Cabral a Memória –Mundo da UNESCO; a organização, em 2024, do Centenário de Nascimento de Cabral.

Recorde-se que, no âmbito da candidatura acima referida,  a FAC promoveu um estudo sobre “O Legado de Amílcar Cabral na Memória do Tempo”. Uma Síntese desse trabalho foi já dada à estampa, estando a obra completa em “stand by”, aguardando financiamento para ser editada.

Honraram o evento, com a sua presença, os familiares de Aristides Pereira, a viúva de Cabral, O Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, o presidente da Câmara da Praia, a Embaixadora de Angola, membros da ACOLP, da FAC e da ACL, para além do público interessado.

Devo reconhecer que a edição da Revista só foi possível graças ao patrocínio da ÍMPAR, fiel parceira da FAC.

 

Praia 23 de Setembro de 2021

Manuel Veiga

Membro do Conselho de Administração da FAC

Membro Fundador da ACL   



                 

 


domingo, 19 de setembro de 2021

 

EDUKASON – Txabi y Fitxadura di Konhisimentu

KULTURA -  Txon y Morada di Umanismu

 

Pa okazion di abertura di ANU SKOLAR 2021, ki kontise na pasadu dia 13 di Seténbru, N kre saúda alunus y profesoris di tudu nível, pais y enkaregadus di edukason, funsionárius y trabadjadoris di tudu sitéma di ensinu,  Ministériu y Ministru di Edukason, na pessoa di di Dr. Amadeu da Cruz.

 

Tudu nos nu sabe ma Edukason é txabi di konhisimentu y é el ki ta abri tudu pórta di umanismu y di dizenvolvimentu.

Di Indipendénsia pa gósi, governantis y tudu sistéma di edukason pusta na kualidadi y na demokratizason di ensinu. É pur isu ki alfabetizason atinji un nível kuazi di exselénsia; ensinu báziku, sekundáriu y superior ganha spreson invejável, apezar di konstranjimentus dekorentis di nos eko-sistéma.

 

Nu ta rakonhisi tudu sforsu investidu na txabi y na fitxadura di konhisimentu, mas nu ta lamenta, na kanpu di EDUKASON, dismazélu na promoson di txon y morada di umanismu, ki é dumíniu di nos KULTURA.

 

Nu kre ô nu ka kre, un EDUKASON ki ka ta valoriza KULTURA di TÉRA, é alienadu, é inkultu, é subdizenvolvidu.

Nível ki EDUKASON dja atinji, komu txabi di konhisimentu, ta iziji un maiór invistimentu na KULTURA, na STÓRIA y na LÍNGUA di TÉRA.

 

É tristi konstata nível di Edukason ki dja nu atinji, onbru-onbru ku situason di “inkultura edukativu”, ralasionadu ku nos stória, ku nos língua y ku no tradison.

Inda ónti N sa ta odjaba un “spot publisitáriu” ki ta ravela es inkultura na nos língua matérnu”. 

Es “spot” ta fla: “Sê kel k bo é”.

Óra, formalmente, es frazi é un “fráudi”. Na Santiagu, realizason podeba ser : “prokura ser kenha bo é”. Otu realizazon aseitável é: “Bu meste ser sima bo é”.

Na . Visenti, pur izénplu, el podeba, eventualmenti ser : “Prokurá ser ken bo ê, prokurá er moda bo ê”.

 

Inkultura di nos língua matérnu pode konpromete futuru di nos língua. Y si kel-la kontise, Rasponsável, en grandi midida é sistéma di Edukason.
N sabe ma sinhor Ministru Amadeu da Cruz ten planus pa fase di Edukason “txabi y moradia di konhisimentu” y fase di KULTURA Y LÍNGUA di TÉRA “txon y oradia di Umanismu.


Viva EDUKASON, Viva nos LÍNGUA MATÉRNU,  Viva KULTURA di TÉRA!

 

Stembro 2021

Manuel Veiga

 

NHA SONHU / NHA VÓTU

Puéta António Nunes, alguns anu antis di Indipendénsia, el  “sunha ma es dés gransinhus di Téra, un dia, ta sérba di-nos”.

Na manhan di 5 di Julhu di 1975, mensájen di “Puéma di Manhan” ta bira, dimê-divéra, un realidadi.

Oji, 46 anu dipôs di es “dia klarin”, N da ku mi própi, na kurva di 2021, ta sunha ku un Kabuverdi diferenti.

 Firmimenti, N kre y N ta spéra:

Ma Unidadi, Solidariedadi, Patriotismu, Desénsia, Onestidadi ta fase párti di nos Bíblia izistensial, sima Amílcar Cabral kustumaba fla.

Ma Téra ta dizenvolve amoniozamenti, ku prugrésu y kualidadi di vida, na tudu txada ku rubera; ku nível sanitáriu y edukativu di exselénsia; ku enprégu pa tudu algen ki kre ô ki meste trabadja; ku txuba korenti y azágua fadjadu; ku abitason kondignu pa tudu família; ku dizenvolvimentu sosial, kultural y ekonómiku abranjenti y di kualidadi.

 

Ma nos LÍNGUA, nos STÓRIA y nos  KULTURA ta fase párti di prugramas di ensinu y ma KRIOLU KABUVERDIANU, nos língua matérnu, ta alkansa, “de jure”, statutu di língua ko-ofisial ki, “de facto”, el ta goza.

 

Ma DEMOKRASIA ta ser interpretadu, vivedu y izersidu na si propriedadi, esénsia y oríjen semántiku, sen diturpason, sen malabarismu, sen “abilidadi di txiku-spertismu”, ku transparénsia, onestidadi, rasponsabilidadi y universalidadi.

 

Ma GOVERNANTIS ta ser un fiel servidor di Nason; ma tudu  sidadon ta kunpri si dever di sidadania; ma instituisons di prestason di sirbisu ta funsiona, ku efisiénsia y efikásia.

 

Ma KABUVERDI ta ser di nos tudu, y nãu di uns poku, parazita, ki kre vive di trabadju y sforsu alheiu.

 

Pulítikus, Govérnu y kandidatus pa Majistratura Suprému ki konvense-m ma, na ses nível, es ta trabadja pa konverte nha sonhu na un realidadi, es ta konsigi, tanbe, mobiliza-m pa vota na ses prugrama eleitoral. Di otu fórma, “es pode tra ses kabalinhu di txuba”, pa ka tisga na frésa ô dizidrata y “panha ka pode”, na kalor.

Manuel Veiga

18 diSeténbru di 2021

 

 

Amílcar CABRAL:

Un LUS na NOTI d’ÁFRIKA

 

Mos!

Abo, sima bo

So bo!

Bu djobe, bu odja

Bu ozerba, bu xinti

Bu prende, bu inxina

Bu disidi, bu fase

Bu txoma, bu sigidu

Bu luta, bu ganha

Bu móre, bu inkarna:

Na kada pioneru

Na kada kriansa

Na kada ómi ku mudjer

Na tudu fidju di nos téra.

Sima bo, so bo!

(kf. MV, Odju d’Agu (2019:43-44)

Un Téra ku un Ómi sima A. Cabral, el ka é apénas un Grandi País, el é un NASON ABENSUADU : pa atitudi vizionáriu; pa bai ku ben, ta prokura libertason di  povu; pa simentera, en-pó, di demokrasia; pa skóla di patriotismu; pa kultura literáriu, artístiku y antropolójiku; pa promoson di dizenvolvimentu umanu inkluzivu y universal; pa sonhu di “un otu TÉRA na própi téra”; pa dizeju ardenti di liberta Áfrika y di umaniza mundu.

Obrigdu, Giné y Kabuverdi; obrgadu D. Iva Pinhel y Prof. Juvenal Cabral, pa es ser “prodíjiu”, studanti brilhanti, “soldadu di pás”, konbatenti pa LIBERDADI, diplomata dialoganti, puéta y filózofu engajadu, afrikanu asumidu, umanista sen frontera.

“Saravá” família di A. Cabral pa jenerozidadi di enrikise Áfrika y Mundu ku un ton ilustri konpatrióta.

FÉRU GAITA ANIVERSARIANTI

 

SELEBRASON BUNITU Y ORIJINAL

 

KONJUNTU FÉRU GAITA  selebra 25 anu di perkursu ku un jornada kultural bunitu y orijinal.

Ken ki, sima mi, tistimuna es jornada, na kualidadi  di konvidadu-omenajeadu, ku diretu na un troféu di rakonhisimentu, so pode gardise Féru Gaitu y si “menager” Gugas Veiga pa distinson y pa oportunidadi di sisti una tu komemorativu orijinal y  bunitu “pa frónta”.

 

Beléza y orijinalidadi di es atu sta na si formatu y konteúdu: spetaklu muzikal sublimi; distinson di tudu kenha ki koloka un pédra na es 25 anu di perkursu di Féru Gaita; parseria ku Komunidadi Katóliku di Txada S. Filipi, na konstruson di un Igreja y Séntru Parokial.

 

N ta kridita ma distinson ki N rasebe na kualidadi di antigu Ministru di Kultura, parseru di Konjuntu, é un distinson pa Stadu di Kabuverdi, dja ki tudu patrosíniu ki, pa nha intermédiu, Konjuntu rasebe, foi ku rakursu di Stadu ki staba na nha dispozison. Pur isu, nha gardisimentu é pesoal, mas tanbe é na nómi di Nason Kabuverdianu.

 

Na es selebrason, N fika partikularmenti sensibilizadu ku parseria stabelesedu ku Komunidadi Katóliku di Txada S. Filipi. Pastor di Igreja lokal, pensa ki Konjuntu podeba sta ben sirbidu, ekonómikamenti, ta nada na dinheru, el diriji pa el, ku pididu di djuda pa konstruson di un Igreja y di un Séntru Parokial.

Sen posibilidadi ekonómiku di satisfase es pididu, Féru Gaita disponibiliza un sértu nunbru di CDs pa vende, y montanti rakadadu ta sérba si kontributu.

 

N atxa es atitudi bunitu y orijinal. Kes tres CD, lisin dipaxu, ki N ilustra es nha post, N adikiri-s na fin di spetaklu komemorativu.

Obrigadu Féru Gaita pa distinson ki N rasebe y pa oportunidadi ki da-m pa solidariza ku Komunidadi Katóliku di Txada S. Filipi.

Parabéns pa 25 anu di karera y obrigadu pa trabadju incansável di promoson, diféza y valorizason di tradison muzikal kabuverdianu, FUNANÁ prinsipalmenti.

 

Manuel Veiga

18 di Setenbru di 2021