segunda-feira, 7 de março de 2022

O MANDAMENTO DA VIDA

 

Não Matarás (Exodo20:13)

 

A vida é um dom divino, a maior bênção que a natureza concedeu à Humanidade. Ninguém tem o direito de ir contra o mandamento da vida que ordena: “não matarás”.

Desde o berço, na escola da família, aprendi o valor desse mandamento. Mais tarde, o Seminário reforçou em mim o valor desse mandamento. A experiência de vida sempre me ensinou que a VIDA é o Bem Maior, que respeitar a do outros é condição para eu viver em paz.

O que a escola da vida me ensinou, e aprendi com distinção, está sendo posto em causa, em algumas partes do mundo, particularmente na UCRÂNIA, com a invasão russa de 24 de Fevereiro.

É caso para perguntar:  O Presidente Putim não recebeu o magistério do HUMANISMO na família, na escola de vida e nas curvas da política? Será que ele não tem nem razão, nem sentimento, nem coração? Será que tem capacidade de amar, de respeitar e de solidarizar-se com quem que seja, mesmo ratando-se da sua família, do seu povo, para não dizer a Humanidade? Se a resposta for negativa é caso para dizer que o seu próprio inferno já atingiu a expressão máxima.

Diante desse inferno que criou na Ucrânia, será capaz de dormir tranquilamente como se nada tivesse acontecido? Aquele seu ar fúnebre, frio e sereno, diante das câmaras, não será fingido?

Qualquer que seja as suas razões, haveria sempre outros mecanismos para a resolução de conflitos, que não o de matar, o de transformar uma nação inteira numa fogueira de destruição (da vida e de equipamentos sociais).

E quem vai repara essa desinteligência belicista, e com que meios?

Eu que sou sempre grato ao povo russo (ele também vítima da desinteligência do seu Presidente) pelo apoio que deu à luta de libertação nacional e pelo grande número de bolsas de estudo a favor da juventude africana, em geral, e cabo-verdiana, em particular, não posso deixar de condenar, vivamente, a invasão da Ucrânia, e solidarizar-me com a bravura dos militares ucranianos, com a luta dos que se encontram nos abrigos a fugir das bombas, bem como com a resiliência de quantos procuram a paz em outros países, ou enfrentam a guerra com sentido patriótico.

Devo felicitar a solidariedade europeia que abriu as suas fronteiras a todos os refugiados da guerra. 

Do governo da Rússia espero que, depois de descobrir a razão da sua desinteligência, ponha à disposição dos ucranianos os meios necessários para a reconstrução do país.

Do mundo inteiro que sofreu  e sore com a aberração dessa guerra espero que, em nome do humanismo, perdoe a irracionalidade do Presidente russo, já que no tribunal da sua própria consciência a reparação, seguramente, terá lugar. É que a Natureza é Justa, és Sábia, é Educadora.

A todos desejo uma santa PAZ, nesta QUARESMA DA REISSUREIÇÃO.

Praia, 7/03/2022

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2022

POVU UNIDU, COVID VENSIDU

 


Nanprésta, dizaforadu

Sai di kaminhu, dexa-nu passa

Nu ka debe-u, nu ka koléga

Kai na mar, mata kabésa

Dexa-nu kétu, nu ka merese es frónta

Bu atxégu dja da-nu na tésta.

 

Unidu, nu ta nfrenta-u

Disididu, nu ta vense-u

Ka bu insisti, bu ka ten razon

Dja nu nfêlia, nu ka kulpadu

Bo ki ben, rabida bu bai

É konsedju, é ka konvérsa fiadu

Bu ndjutu-nu, bu ten ki kai

Ka-u púrfia txeu, disinti bu ben.

 

Nha povu, nha armun:

Nu fika na kaza, nu laba mon

Nu obi autoridadis, ka nu ralaxa

Nu luta, ka nu dizanima

Na Xina, COVID dja rende

Na Orópa ku Mérka sa-ta lutadu

Na Áfrika, konsiénsa sa-ta labanta

Ka nu brinka, es kusa é gravi

Ken ki «kansa, ta alkansa».

 

Nu djunta, nu da-l konbáti

Si el ka móre, el ta fika olejadu

Dixanxabidu, na getu-l bai

Korenténa ka tudu ténpu

Stadu di emerjénsia ten pa kai

Nu al vense, nu ta vense

 Trabadju txeu sa-ta spera-nu

Ku más justisa, más inkluzon

Ku más étika, más idukason

Ku más umanismu y solidariedadi

Ku más ruspetu, más dignidadi.

domingo, 13 de fevereiro de 2022

PRÓPI SÁBI

 

Un bóka-l tardi própi sábi.

Kontise ónti, na kanbar di sol, un tradi kultural ku sbor di mel. Foi lansamentu di albun «ALMA», un konjuntu di puémas muzikadu di puéta-Prizidenti, JMN.

Na es tardi, N da kónta ma kazamentu di matrizis afrikanu y luzitanu di nos língua pari un mininu di oru predistinadu pa kanta mórna y pa skulpi poezia. Es mininu di oru é KRIOLU. Fórti dja bu grandi, fórti bo é dóxi, ó Língua di nha povu!

JMN, ku pirspikásia, ku sabedoria y sentimentu el skulpi, na Kriolu, puémas-konpozison ki dexa artistas muzikal babadu y adimiradu. ALMA é un infanti jeradu pa puéta JMN, batizadu pa artistas muzikal y plástiku, adimiradu pa tudu kenha ki toma parti na tardi kultural di ónti, rabésba di Nhu S. Valntin. 

Nhos obi un trexu di es albun-alma, na puéma IDENTIDADI :

Kantu lumi rabenta / Na koxa di mar brabu / Santiagu labanta riba di agu / E bira ilha //

Kantu mundu di tudu mundu txiga / Simenti transa / Ómis ku mudjeris nasi / Na txon di ilha //

Mi é di li / Fidju di don di agu / Mi é di li  / Na es txon ki nasi riba mar / Pa nu podi skrebe un otu stória / Di paz y amizadi / Ku algen di tudu kor / Pamodi li tudu algen é algen”.

 

É un puéma-jénizi di nos kriolidadi, un kriolidadi abértu pa mundu, mas ku pé finkadu na txon di nos téra, undi ten  “algen di tudu kor / Pamodi tudu algen é algen”. Di es puéma ta imerje UMANISMU Y SOLIDARIEDADI PLANETÁRIU di nos KRIOLIDADI, un kriolidadi ki prende “rolá na mapa” di “téra-lonji” y di nos rinkon-natal, na rítimu di MÓRNA, na kalor di funaná, na amargura y na dosura di SODADADI. É pur isu ki ns identidadi é un “arku-da-bedja” (“arco-íris”)  di tudu kor y ku tudu amor.




domingo, 30 de janeiro de 2022

 COMO É BOM SER DE CABO VERDE!

COMO É MARAVILHOSO SER CABOVERDIANO!
Nunca concordei com os que pintam o meu PAÍS apenas com as cores do Partido em que estão afilhados.
Cabo Verde existiu muito antes de 1956, de 1977 ou de 1990.
Eu me encontro afilhado no Partido fundado em 1956, mas respeito e congratulo-me pelo facto de, em 1990, ter nascido um novo Partido. Igualmente, hoje, respeito e saúdo o Partido nascido em 1977.
Todos esses Partidos são importantes, mas, separadamente, não têm a dimensão de Cabo Verde. E os Caboverdianos são importantes porque a sua dimensão e mundivivência ultrapassam as fronteiras de qualquer Partido.
Acontece que se hoje temos Governo, Parlamento e Administração Pública Caboverdianos, com as características atuais, é porque houve um Partido que lutou pela Independência, e houve outros que lutaram pelo reconhecimento do multipartidarismo e pela consolidação do Estado de Direito Democrático.
É por causa de tudo isso que me sinto orgulhoso de pertencer a este POVO lutador e vencedor. Nessa luta não ponho ninguém de fora.
Tudo isto para dizer que afirmar que só existiram as Forças Armadas Caboverdianas depois da década de 1990 nunca poderá ser uma atitude de coragem. Para mim, só pode ser um infantilismo grosseiro, um desrespeito pela HISTÓRIA, pela VERDADE e pelos CABOVERDIANOS. Os que, em nome da dignidade e da liberdade, sacrificaram a sua juventude atrás das grades da prisão ou consentiram a própria morte, para que, na nossa TERRA, a vida florescesse, em liberdade e dignidade, merecem, pelo menos, ser respeitados, caso não haja coragem para os distinguir.
Da minha parte, quero prestar a minha melhor homenagem a todos os que contribuíram para os HINOS, as BANDEIRAS e a CONSTITUIÇÃO que temos ou que tivemos após 1975. Ser reconhecido para com os que fundaram e consolidaram a PÁTRIA é uma atitude CIDADÃ, é um ato de JUSTIÇA. E quem já teve altas responsabilidades no sector da Justiça deveria saber ler esta cartilha tão simples e tão clara.
VIA CABO VERDE
VIVA A INDEPENDÊNCIA
VIVA A DEMOCRACIA
Nelson Centeio

domingo, 23 de janeiro de 2022

 

“MANIFESTO – A CRIOULISAÇÃO”

Versus

“ELOGE DE LA CRÉOLITÉ”

 

Skritoris antilhanu Jean Bernabé, Patrick Chamoiseau y Raphael Confiant, na 1989 y 1993, es publika «Éloge de la Créolité» undi es ta izalta valor stóriku, kultural y antropolójiku di kriolidadi y es ta kritika krónikas kolonial ki bafa, sukundi, distorse ô kalanbetxa sentidu stóriku y kultural di krioidadi. Nu obi-s:

 

«Notre histoire ([celle du créole et de la creolisation] … et naufragée dans l’histoire coloniale … [elle] n’est pas totalement accessible aux historiens. Leur méthodologie ne leur donne accès qu’à la chronique coloniale. Notre chronique est dessous les dates, dessous les faits répertoriés : nous sommes Paroles sous l’écriture. Seule la connaissance poétique, la connaissance romanesque, la connaissance littéraire, bref, la connaissance artistique, pourra nous déceler, nous percevoir, nous ramener évanescent aux réanimation de la conscience …. C’est en cela que la littérature nous restituera à la durée, à l’espace-temps continu, c’est en cela qu’elle s’émouvra de son passé et qu’elle sera historique (p.36-38)».

 

Na «MANIFESTO – A CRIOULISAÇÃO», di Mário Lúcio, ta spedja es profundu análizi ki nu ta atxa na “Éloge de la Créolité”. Na verdadi, somenti konhisimentu kultural y sensibilidadi poétiku ta djuda-nu atinji kes zóna-sónbra di kriolidadi y di kriolizason ki stória y krónikas kolonial deturpa, bafa, sukundi ô, anton, es kalanbetxa ô es ka ralata.

 

Pa nu razumi, Maniféstu di Mário Lúcio ta konsidera ma kriolu di Kabuverdi é un língua ki nase di un partu difísil y konplikadu, di konfrontu-reenkontrus di mundus diferenti (Portugal y Áfrika Osidental), na laboratóriu di ilha di Santiagu, a-partir di séklu XV, na situason di kolonizason. Na es konfrontu-ekontru-reenkontru, kriolu, na un kontestu di luta y di partilhas, el imerji, a-partir di un diléma ki kaba na un relason-síntizi di mundus diferenti, nun spasu, sen saída, apénas ku mar, na fontera.

 

Mário Lúcio, inda, ta defende ma kriolizason y kriolidadi é nos patrimóniu transnasional y es é fundamentu di nos Nason Global. É pur isu ki, si Kabuverdianu y Kabuverdianidadi ta da-nu dimenson di nos identidadi nasional y tiritorial, Kriolu y Kriolidadi ta da-nu dimenson di nos idntidadi nasional-global-plurirasial. Y kel-l é razon pamodi tantu KRIOLU KABUVERDIANU komu LÍNGUA KABUVERDIANU, es tudu dos, es ta fase parti di nos patrimóniu linguistiku-kultural y di nos identidadi nasional plurirasial.

 

Maria, ki nase na Fransa, filha di un kabuverdiana y di un fransês, el é un krióla, franko-kabuverdiana, ku un identidadi transnasional-global-plurirasial. Manel, ki nase na Kabuverdi, fidju di pai ku mãi kabuverdianu, el, tanbe, é kabuverdianu, ku un identidadi-nasional-intra-tiritorial. Tantu Maria komu Manel, es tudu dos, es ta fase párti di NASON GLOBAL KABUVERDIANU. Sen KRIOLU, NASON GLOBAL ta dexaba di izisti, y patrimóniu di umanidadi ta fikaba más póbri.

Obrigadu, Mário Lúcio, pa oportunidadi y inportánsia di es rafleson.

 

23 Janeiro 2022

Manuel Veiga

 


 

 

terça-feira, 28 de dezembro de 2021

O QUE É A PADRONIZAÇÃO?

 Alguém, sabendo que eu me interesso pelas “coisas da língua”, colocou-me a pergunta, em epígrafe.

 

Eis a minha resposta: PADRONIZAÇÃO é a interiorização, a socialização e a consensualização, numa comunidade linguística, de construções gramaticais, de palavras e de expressões próprias de uma língua ou de suas variantes geográficas, ou de domínios outros, dessa mesma língua, bem como ainda do modelo de alfabeto e de escrita.

No caso do nosso crioulo, com variantes que cobrem as nove ilhas habitadas, a padronização será a interiorização, a socialização e a aceitação de particularidades linguísticas dessas variantes. Por exemplo, no interior de Santago diz-se “téta rixu”, correspondente, em Santanton a “brasa gerrotxóde”.

 

Ora, no dia em que os santiaguenses interiorizarem e aceitarem o “brasa gerrotxóde”, e os santantonenses, por sua vez, interiorizarem e aceitarem “téta rixu” (ainda que com adaptação fonética (téta rije), nesse dia, ou nessa altura, se pode dizer que se deu a padronização das duas expressões.

 

Aguém poderá dizer que isto é “sonhar acordado”. Responderei dizendo: se antes da Independência alguém me dissesse que, em Santiago, um dia encontraríamos tanto a expessão “menina rei di bunita” como “menina bunita pa frónta”, eu diria ao meu interocutor que estava a sonhar acordado. Hoje, após a mobilidade social que se deu no pós-Indepencia, as duas expressões co-habitam, pacificamente, em Santiago.

Acontece que essa padronização não se dá por geração espontânea. Ela só pode dar-se com uso prolongado e com a socialização das duas expressões, através da comunicação oral, do ensino, do uso na comunicação social, na administração formal, na escrita, na literatura, nas artes e na cultura.

 

Isto significa que a padronização não se fixa por decreto, mas sim pela interiorização e consensualização. O linguista-estudioso analisa a abrangência e a consistência de tal consensualização e propõe que a palavra ou expressão sejam consideradas padronizadas pela entidade competente. Assim sendo, a padronização é mais um trabalho da cidadania do que de poderes públicos, e as ilhas que quiserem que a sua variante entre no crioulo padrão têm que investir social, cultural, cientifica e pedagogicamente na sua variante. Quem souber investir "no mercado social e cultural, na na publicidade técnica e científica" da sua variante ganhará a batalha da padronização.

 

Espero ter respondido a pergunta do meu interlocutor.

Dezembro de 2021, Manuel Veiga

 

segunda-feira, 27 de dezembro de 2021

A PADRONIZAÇAO DO CABOVERDIANO NO CONTEXTO DE VARIANTES

  

Alguns amantes da nossa língua materna levantam a questão de saberem como será possível o processo de padronização, tendo em conta as variantes existentes, e como conceber o material didático, de forma sustentável, sem prejudicar as variantes locais e sem comprometer o magistério do crioulo em nenhuma ilha.

Antes de mais, a existência de variantes é mais uma dádiva do que um problema. Ela, se bem conduzida, representa uma possibilidade de termos um crioulo unificado rico, dúctil, maleável, com assinalável plasticidade, uma espécie de arco-íris linguístico.

 

Mas como isso será possível?

 

Não se vai fazer “djagasida desordenada” de variantes. Se assim o fizermos, a iguaria linguística seria intragável.

 

O mesmo não acontece se:

 

1)    Tomarmos como bases, para o processo de padronização e de elaboração de material didático, as duas variedades, com força globalizante, na medida em que são compreendidas, faladas e aceites em mais do que uma ilha. É um facto que a expressão da ilha de Santiago e a da ilha de S. Vicente constituem as duas variedades a que nos estamos referindo.

 

2)    Uma vez definidas as duas variedades, com tendência globalizante, há que enriquecê-las, ao Norte e ao Sul, com as respetivas especificidades pertinentes e representativas das variantes locais de cada ilha (a variante de S Vicente com as especificardes das ilhas do Norte e a variante de Santiago com as especificidades das ilhas do Sul). Simultaneamente, mas de forma mais lenta, dar-se-á, também, a padronização entre as duas variedades globalizantes.

 

        Esta será a estratégia nacional e governamental da política linguística.

 

3)    Haverá porém, uma estratégia local de desenvolvimento linguístico. A partir do material didático elaborado com base nas variedades globalizantes (S Vicente e Santiago), haverá adaptação em cada ilha onde o ensino parte da variante local respetiva, mas com o horizonte aberto em relação às variedades globalizantes. O professor, em cada ilha, deverá conhecer a respetiva variante. O material didático já confecionado nas duas variedades servir-lhe-á de arquétipo e de inspiração para ensinar a variante local e despertar a curiosidade dos alunos em relação às variedades globalizantes.

 

4)    Com essa metodologia, haverá dois polos de elaboração de material didático, mas com nove experiências, a nível da didática.

 

5)    A padronização (num processo de muitos anos), vai dar-se a nível Sul-Sul, a nível Norte-Norte e a nível Norte-Sul, de forma sustentável, abrangente e com poupança de recursos materiais.

 

6) O Estado é chamado a investir nas variedades globalizantes. As ilhas (municípios, instituições locais, sectores de criatividade cultural e artística, cidadão, em geral) são chamadas a investir, primeiro na variante local e, num segundo momento, querendo, nas variedades globalizantes (sempre em contraponto com as variantes locais).

7) Deve-se deixar liberdade a uma ilha que quiser investir apenas na variante local, arcando com a responsabilidade de os respetivos alunos não dominarem, depois, o caboverdiano oficial e que terá por base as duas variedades globalizantes, enriquecidas com o que é específico e representativo em todas as outras variantes.

 

8) Deve-se deixar inteira liberdade à ilha ou ilhas que entenderem não investir no crioulo porque, na sua ótica, o mesmo não leva a lado nenhum. Porém, terão a responsabilidade de, mais tarde, aceitarem que a concorrência laboral opte por quem tiver competência linguística nas línguas oficiais da República.

 

9) Uma nota final: a variante, variantes ou variedade do crioulo que forem mais usadas na comunicação oral, na comunicação social; que tiverem mais trabalhos nos domínios da cultura, da arte e da literatura; que ousarem fazer mais estudos científicos gramaticais, lexicográficos e outros; que massificarem o ensino da língua materna, seguramente, contribuirão mais, também, no processo de padronização. A padronização não se faz com blablá, com recalques, com ciúmes, com regionalismos doentios, com ignorância ofensiva. Ela é um trabalho mais da cidadania engajada do que do Governo. Este apenas deve fazer o que a cidadania não pode fazer. Quem quiser ver a sua variante valorizada que trabalhe para que isto aconteça.

 

Esta a minha opinião. Quem tiver melhor alternativa, séria, competente, responsável e operacional, que a manifeste.

Dezembro de 2021, Manuel Veiga